Antologia de Contos Populares Vol. 1

PARAFITA, Alexandre,, Lisbon, Plátano Editora, 2001

Collected records

Results 1 thru 21
Page 1 of 1

APL 1904
A Maldição

(196-197)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Dizem os velhos transmontanos que um pai nunca deve rogar uma praga a um filho. Se o fizer amaldiçoará o seu próprio sangue e pagará caro por isso ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1899
A Mulher que Amamentou uma Cobra

(104)
Vidago, CHAVES, VILA REAL

Conta-se na aldeia de Pereiro de Agrações, do concelho de Chaves, que, há muitos anos, uma cobra ia ter todas as noites à cama de uma mulher, atraida pelo leite ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2191
A promessa da alma penada

(144)
-, VILA POUCA DE AGUIAR, VILA REAL None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1905
As Diabruras do Trasgo

(205)
Macedo De Cavaleiros, MACEDO DE CAVALEIROS, BRAGANÇA

Conta-se que numa determinada aldeia transmontana, havia um trasgo que habitava numa das casas mais abastadas, onde fazia a vida negra aos sucessivos donos, como castigo por, noutros tempos, algu ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1910
As Gargalhadas do Bode

(219)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Conta-se que certa noite de inverno, um casal regressava a casa após um dia de trabalho no campo, numa propriedade distante da aldeia. Ao passar numa encruzilhada, encontraram um ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1916
As pintas de sangue na levedura do pão

(58)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Nos domingos e dias feriados o povo rural ainda hoje cumpre a tradição de não ir para o campo trabalhar. E é de tal forma o respeito por esses ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1908
As Unhas do Trasgo

(208)
Sabrosa, SABROSA, VILA REAL

Conta-se em Sabrosa que há muitos anos uma mulher que vivia sozinha costumava ouvir, ao deitar-se, um pequeno espírito a gemer e a esgadanhar no soalho junto à porta do ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1877
Levanta-te, ó homem morto!

(56-57)
-, VILA POUCA DE AGUIAR, VILA REAL

Contam os antigos que um dia, quando Santo António ainda não era santo, o seu pai foi preso e condenado à forca por ter sido acusado de matar um ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1917
O cemitério das cruzes

(59)
Argozelo, VIMIOSO, BRAGANÇA

Em tempos que já lá vão, havia um homem que todos os dias se lamuriava porque tinha uma vida muito difícil. Estava sempre a dizer a uns e ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1902
O Criado Lobisomem

(194)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Conta-se em algumas aldeias transmontanas que, certo dia, um homem recolheu em casa um criado para trabalhar na sua fazenda. Porém, passado algum tempo, o dono da casa come ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1920
O Diabo e as amêndoas

(230)
Uva, VIMIOSO, BRAGANÇA

Conta-se que certo dia o Diabo, ao passar pelo termo de Uva, Vimioso, encontrou uma amendoeira em flor e sentou-se em baixo, pensando que estaria prestes a dar fruto. Entretanto ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1919
O Diabo em forma de cabrito

(227)
Peredo, MACEDO DE CAVALEIROS, BRAGANÇA

Noutros tempos, ia muita gente de Peredo ao pão e às tortas a Espanha. Uma noite, um homem, a quem chamavam Flé, vinha de Espanha com o filho, Carlos ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1900
O Gato Preto e as Vacas

(135)
Agrochão, VINHAIS, BRAGANÇA

Havia um lavrador que costumava ir todas as noites ao curral dar de comer às vacas. Uma noite ao entrar no curral encontrou um gato preto empoleirado no lombo de ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1918
O Justo Juízo Divinal

(78)
Vales, ALFÂNDEGA DA FÉ, BRAGANÇA

Conta-se que dois lavradores andavam desavindos com um pastor porque este tinha o hábito de entrar com o rebanho nas suas propriedades. E tantas chatices tiveram com ele que ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1901
O Lobisomem de Rego de Vide

(143)
-, MIRANDELA, BRAGANÇA

Conta-se em Rego de Vide que, há muitos anos atrás, houve um homem que tinha um triste fado: era lobisomem. Durante o dia era uma pessoa normal, mas em ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1911
O Marido Lobisomem

(220)
Sobreiró De Baixo, VINHAIS, BRAGANÇA
Types: 4005,

Certo dia, andava um casal a trabalhar no campo até muito tarde. Como a noite era de lua cheia, e por isso tinha luz bastante para verem o que andavam ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1909
O Menino de Vermelho

(209)
Agrochão, VINHAIS, BRAGANÇA

Contam os antigos de Agrochão, Vinhais, que houve noutros tempos naquela aldeia uma velha que, todas as noites, era incomodada por ruídos de bancos a arrastar de um ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1903
O Pastor, o Cutelo e o Lobisomem

(195)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Certo pastor notou que, todas as noites, havia grande reboliço no curral onde guardava as suas cabras. Quando, numa dada noite, resolveu ir ver o que se passava, apercebeu-se ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1906
Os Piolhos da Velha

(206)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Havia uma velha que todas as noites era atormentada por um trasgo, que mexia e remexia nas louças, arrastava os móveis e fazia ranger as portas. Por isso ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1868
Quando o Diabo era barqueiro

(216)
-, VINHAIS, BRAGANÇA

Houve também um santo que fez das boas ao Diabo. Foi o Santo Hilário. Numa ocasião, estava o Diabo de barqueiro num rio [o rio Rabaçal ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1907
Vai p’ra quem te comeu as leiras!

(207)
Sabrosa, SABROSA, VILA REAL

Em algumas aldeias transmontanas crê-se que os trasgos, ouvidos e sentidos em determinadas casas, são o espírito de alguém que ali morreu e que regressa para ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]
Results 1 thru 21
Page 1 of 1