Literatura Portuguesa de Tradição Oral

AA. VV., -,, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003

Collected records

Results 101 thru 114
Page 5 of 5       < 1 | 2 | 3 | 4 | 5

APL 983
Os pescadores e a boneca

(CE5)
Póvoa De Varzim, PÓVOA DE VARZIM, PORTO

Contam os velhos que no dia 27 de Fevereiro de 1892 – dia de uma grande tragédia marítima, em que morreram cento e tal poveiros – os pescadores de um ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 954
Os portões

(AP17)
-, BARCELOS, BRAGA

Conta-se numa aldeia de Barcelos que há muitos anos atrás habitava numa quinta um senhor que gostava de passear de carro. Quando este senhor faleceu, os novos proprietários ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 942
Os que mudam os marcos dos terrenos

(AP3)
-, OLIVEIRA DE AZEMÉIS, AVEIRO

No Lugar do Calvário, em Oliveira de Azeméis, os antigos contam que as pessoas, ao mudarem os marcos dos terrenos em seu benefício, mais tarde, depois de ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1055
Os reis encantados

(L26)
-, VISEU, VISEU

Contava-se que a povoação de Armamar não foi, de início, no sítio onde se encontra a vila actual. Ficava para os lados da Almoinha, onde ter ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 987
Os São Bentinhos

(CR4)
Santo Emilião, PÓVOA DE LANHOSO, BRAGA

Existem dois santos com o mesmo nome, quer dizer, dois São Bentinhos. Um reside na freguesia de Santo Emilião, concelho da Póvoa de Lanhoso, e outro em ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 966
Os três potes misteriosos

(TE9)
Fornelos, SANTA MARTA DE PENAGUIÃO, VILA REAL

Em Salgueiro há uma mina onde acreditam existirem três potes misteriosos, sendo
um de ouro, um de prata e o outro de peste.
Só se pode lá entrar à meia-noite ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 959
O tacho de tesouro

(TE1)
Justes, VILA REAL, VILA REAL

Era uma vez uma mulher que se chamava Zarolha. Ela sonhava que iria encontrar debaixo de uma alfarrobeira um tacho de tesouro bem escondido na terra.
Um dia ela foi ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 944
O taxista

(AP5)
Sabroso De Aguiar, VILA POUCA DE AGUIAR, VILA REAL

Há uns anos atrás, um senhor que era taxista, quando regressava a casa à noite, costumava dar boleia a uma mulher que morava na aldeia vizinha. Durante a viagem conversavam ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 965
O tesouro e as maleitas

(TE8)
-, PÓVOA DE LANHOSO, BRAGA

A gente das povoações vizinhas de Favaios, em Alijó, acreditava na existência de um tesouro escondido numa grande fraga do monte de Santa Bárbara. Para o encontrar ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 993
O tocador de bois

(B5)
Riba De Ave, VILA NOVA DE FAMALICÃO, BRAGA

Antigamente, os agricultores compravam nas feiras os seus animais para criação. Eram os bois os que mais se compravam e mais se vendiam. Havia um vendedor de gado que ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 953
O velho Abelhão

(AP16)
Carva, MURÇA, VILA REAL

Na aldeia de Carvas, concelho de Murça, há uma área de terreno onde no dia 3 de Maio, dia de Santa Cruz, não se pode trabalhar. Dizem os ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 943
O vestido de noiva

(AP4)
-, VALPAÇOS, VILA REAL

Era uma vez uma família que morava numa pequena aldeia do Norte. Era apenas constituída por dois membros: mãe e filha, porque o pai já tinha morrido ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 999
O véu de casamento

(B12)
Semelhe, BRAGA, BRAGA

Havia dois irmãos muito chegados vivendo ao lado um do outro. A vida a um corria-lhe bem; a do outro era um sem número de arrelias.
 À esposa do ...

[Convinced Belief] [Oral transcription]

APL 986
São Gonçalo de Amarante

(CR3)
Figueiró (Santiago), AMARANTE, PORTO

São Gonçalo de Amarante era filho de uns agricultores de Guimarães.
Um dia, houve uma festa na sua aldeia. Os seus pais foram à festa e disseram a ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]
Results 101 thru 114
Page 5 of 5       < 1 | 2 | 3 | 4 | 5