Lenda do sino dos santos idos

APL 139

Quando os Mouros vieram para Portugal e chegaram ao Sátão — já lá vão tantos anos que nem podem contar-se, ao chegarem aqui, roubaram o sino da igreja e levaram-no para o seu castelo, que era lá baixo, nos Santos Idos.
 Fecharam-se as portas da igreja e nunca mais na torre o sino do Sátão se ouviu, tal a saudade. Saudades da gente pelo sino e saudades do sino pela gente e pela sua igreja. E assim se passaram muitos anos e algumas gerações.
 Mas, quando os Mouros foram definitivamente vencidos e subjugados, os cristãos, correndo aos Santos Idos, foram lá encontrar uma coisa maravilhosa. Um sino de ouro, O sino que os Mouros tinham roubado e de que os avós e trisavós lhes falavam com tanta emoção.
 E tocava tão bem, tão bem, tão bem, que mal a notícia chegou a Viseu, os cónegos da catedral deram logo ordem: o sino do Sátão tem de vir para a Sé.
 E assim foi. Cavaleiros emplumados pegaram no sino, amuado e confrafeito, e levaram-no para Viseu.
 Ao chegar à cidade, o adro da Sé era uma colmeia. Todos queriam ouvir o sino de ouro do Sátão.
 Mas, posto na torre, e bimbalhado pelo sineiro do cabido, o sino não tocava. Insistiam com mais força. Mas o resultado era o mesmo, não tocava absolutamente nada.
 Se não toca, não presta. Parece de cortiça. Atirem com ele lá abaixo. E mandem dizer para o Sátão que o venham buscar, porque não vale nenhum.
 Foi o que no Sátão quiseram ouvir. Ajazeados o melhor que puderam, com os melhores cavalos e mulas, correram a Viseu.
 Pegaram no sino, atirado da torre abaixo, e toca, São João da Carreira em fora, a caminho da sua terra.
 Passaram por Mundão, e o sino calado. Passaram por Cavernães, e o sino, na mesma, sempre mudo, como criança que, triste, não pode cantar. Mas quando chegaram às alturas da Barraca e se começou a ver a torre da igreja do Sátão, oh maravilha! o sino, espontaneamente, como que acordando, começa a tocar, a tocar, a tocar tão bem que, ouvindo-o, as pessoas correm para a estrada, a cavalo ou a pé, formando-se uma grande procissão até à igreja paroquial.
 E posto na torre, o sino continuou a tocar, a tocar sempre, até que, já de noite, o arraial se amainou e se apagaram as últimas candeias de azeite nas lareiras e nos casais. E nunca mais deixou de tocar assim.
 E é por isso que ainda hoje se diz que não há no mundo sinos que toquem tão bem como tocam, os do Sátão.

Source SOUSA, Albano Martins de Terras do Concelho de Sátão Satao, Câmara Municipal do Concelho de Sátão, 1991 , p.338-339

Place of collection-, SÁTÃO, VISEU

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefSome Belief

Classifications