D. Sebastião e o ilhéu do Rosto de Cão

APL 1299

Era de madrugada e alguns pescadores da freguesia de S. Roque já estavam no lugar onde os barcos eram varados, na praia. O céu cobria-se da linda cor que antecede o nascer do sol de um dia de Verão.
 Quando se atarefavam para arriar o barco ao mar, um olhou por acaso para o Ilhéu de Rosto de Cão, ali próximo, e viu surgir no céu um jovem muito formoso, vestido de trajes reais, montado num lindo cavalo branco ficou amedrontado e quase não podia dizer palavra, mas por fim lá gritou:
 — Cum corisco! Olha, o que é aquilo?
 Os outros olharam e ficaram tão tolos como o primeiro. Mas um reconheceu a figura e disse:
 — É o rei D. Sebastião.
 Lembraram-se que os pais e os avós lhes contavam que quem visse tal pessoa e o dissesse a alguém ficaria sujeito a morrer no fim de três dias e quem dissesse “Viva o rei D. Sebastião” teria como destino a morte em pouco tempo. Mas sabiam também que se dissessem: “Lá vai D. Sebastião com a sua encantação” haviam de ter vida prolongada e por isso foram essas as palavras que pronunciaram.
 Quem divulgou esta visão ninguém sabe, mas ainda hoje algumas pessoas de S. Roque acreditam que o rei D. Sebastião está encantado e surge de cem em cem anos naquele lugar junto ao mar.

Source FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.123-124

Place of collection Rosto Do Cão (São Roque), PONTA DELGADA, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications