A arvelinha, ave sagrada

APL 1300

Estava-se em meados do século quinze, quando a ilha de S. Miguel se começava a povoar. Era um dia de Julho, quente, mas refrescado por um ventinho suave.
 Mãe e filha, Isabel e Teresa, estavam ajoelhadas sobre uma laje de cemitério, em pedra lavrada. Ambas rezavam fervorosamente e com ar triste, o que evidenciava um luto profundo. Isabel era a viúva, já de cabelos brancos, mas com um rosto que evidenciava nobreza e caridade. Teresa era ainda muito jovem, alta e esbelta, de pele fresca e levemente corada, mas evidenciando no rosto a mesma expressão de bondade, que também tinha sido a maior virtude do pai, que sempre distribuíra o bem, enquanto vivo, por quem o rodeava.
 Enquanto ali estavam, uma avezinha pousou perto e agitava constantemente a cauda como se estivesse chamando a atenção. Era pequena, de cor acinzentada, com manchas brancas e amareladas na cabeça e no pescoço e algum negro nas asas. Era uma lavandeira, também por alguns chamada de arvelinha. Nela tinha encarnado o Arcanjo S. Miguel, protector da maior ilha dos Açores. Começou a falar, deixando mãe e filha pasmadas:
 — Escolhi-vos para que digais ao povo desta ilha que eu fui eleita por Deus para proteger Nossa Senhora e o Menino na fuga para o Egipto, cobrindo de pó com a minha cauda em leque, o rasto da burrinha que os transportava. Dizei também aos habitantes desta, terra que a minha alimentação é o gorgulho do trigo e que lhes sou muito útil porque limpo os celeiros desse insecto tão indesejado.
 Depois de dizer isto, levantou voo, enquanto Teresa e Isabel recuperavam do susto. Já não tiveram mais tranquilidade para continuar as suas orações, regressaram a casa, contando a quem encontravam a notícia que lhes tinha sido transmitida.
 O povo acreditou em Teresa e Isabel e desde então começaram a acreditar que a arvelinha era uma ave sagrada. Nunca a perseguiam nem caçavam, como faziam com outras pequenas aves.

Source FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.124-125

Place of collection-, PONTA DELGADA, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

Narrative

When XV Century, 50s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications

TypesATU 750 E Flight to Egypt