Um Castelo todo iluminado

APL 1328

Ainda nos princípios do século vinte se cultivava muito trigo na Graciosa e os campos assim cultivados, em Julho, davam uma pincelada dourada à paisagem a contrastar com o verde das vinhas, mas davam também, mais tarde, a abundância e o desafogo às gentes da Ilha Branca. Era costume, então, ir levar o trigo excedente à Comissão, o depósito regulador de cereais.
 Certa vez o Lucas e o José, dois vizinhos que viviam na Canada do Manuel Gaspar, no Guadalupe, levantaram-se de madrugada para irem levar o trigo. Jungiram os bois ao carro, carregaram o trigo e puseram-se a caminho. Iam pela Canada da Missa fora, era ainda de noite. Tinham decidido ir assim cedo para se desembaraçarem depressa, porque mais tarde, começava a vir muita gente com trigo e dava muita demora para quem ainda queria aproveitar o dia para fazer outro trabalho.
 Lucas ia a pé, conduzindo os bois com a aguilhada na mão, pensando na vida. O José, em cima do carro, tinha tempo para ir olhando a paisagem, embora o escuro não o deixasse ver muito. Por vezes trocavam algumas palavras e logo caíam no silêncio da noite.
 A certa altura o José olhou para os lados da Terra do Conde e o que havia de ver: um lindo castelo, todo, todo iluminado. Ficou maravilhado e durante algum tempo manteve-se a olhar para a visão inesperada. Não teve palavras nem tempo para contar o que via à Lucas que, naquele momento, olhou para trás e deparou-se com a mesma visão. Logo exclamou, com a voz transtornada pela emoção ou pelo medo:
 — Vês? Que coisa linda!
 Mal acabou de pronunciar estas palavras, tudo desapareceu, tão depressa como tinha aparecido perante os seus olhos.
 O Lucas e o José comentavam o acontecimento entre si e afirmavam que era um baile de feiticeiras. Passaram o resto do caminho a olhar para os lados da Terra do Conde, mas não viram mais o castelo que tanta admiração lhes tinha causado.

Source FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.161

Place of collection Guadalupe, SANTA CRUZ DA GRACIOSA, ILHA DA GRACIOSA (AÇORES)

Narrative

When XX Century, 10s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications