Carnaxide

APL 1518

A group of boys discover human bones inside a cave. The day after, someone finds, in the same location, an image of the Virgin, which is stolen later. On the following day, the image appears on top of an olive tree near the cave and people place it inside the cave again, which became, since then, a place of worship.


 Ha n’esta freguezia uma curiosidade natural á qual veio juntar-se uma lenda religiosa, que deu celebridade em todo o reino á povoação de Carnaxide. É a gruta em que appareceu a pequenina imagem da Virgem, que se venera na Sé de Lisboa sob a invocação de Nossa Senhora da Rocha.
Está situada esta gruta proximo da povoação e é cavada em uma rocha banhada pelo rio Jamor. A gruta é quasi oval e póde conter umas 80 pessoas. Tem 28 palmos de comprido e 24 de largo. Toda a rocha é de pedra liós.
Na manhã do dia 28 de maio de 1822, andavam uns rapazes a brincar nas margens do Jamor, em um casal chamado da Rocha (por causa da penedia que alli se levanta junto ao rio). Por junto d’elles passou um coelho, que se introduziu por entre as fendas do rochedo.
Os rapazes, com o desejo de apanharem o coelho, metteram, a muito custo, pela mesma fenda uma cadella, mas sem resultado.
Então elles foram ao casal buscar uma lanterna e ferramenta, e, depois de muito trabalho, conseguiram entrar de gatas em uma concavidade. Entram a procurar o coelho; mas acharam duas caveiras e varios ossos humanos espalhados pela gruta, agarrando por fim o coelho que estava cosido com a parede.
Divulgada a descoberta da gruta, concorreu alli muita gente a ver esta curiosidade.
No dia 31 do mesmo mez de maio, indo alli Manuel Placido, natural de Carnaxide, descobriu sobre umas pedras a imagem da Senhora, feita de barro e com um manto de seda muito velho.
N’essa noite, ou no dia seguinte, foi roubada a imagem. Procedeu-se a uma devassa, e depois de muitas diligencias baldadas, appareceu a Senhora, a 4 de junho, sobre uma oliveira, a pouca distancia da gruta.
Per ordem da auctoridade foi levada a imagem para a gruta, e ali alumiada e guardada.
Concorreu então á gruta uma grande multidão de gente de todas as classes da  sociedade, não só dos arredores e de Lisboa, mas de toda a Extremadura.
Em breve a oliveira desappareceu até á sua ultima raiz, para reliquias, e a gruta se encheu de offerendas dos devotos, em joias, cêra e dinheiro, chegando este em pouco tempo a  2:000$000 réis.

Source PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisbon, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.tomo II, p. 112-113

Place of collection Carnaxide, OEIRAS, LISBOA

Narrative

When1822

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications