O medo das Tapadas

APL 1542

Otra vez dixe que foi dromir a guardar a água da R'badirada, debaixe dumas olveras do avô Gouveia. 'Stava lá ditade, quand' sinte vir além às Tapadas pro' í abaixe:
Catalão, catalão, catalão.
Dixe assim:
- Ulha, vem aí algum cão co' alguns ferres agarrades às patas; anda qu'agora há-des levar cá uma corrida que mal tu há-des saber!
O qu'é qu'ele fez:
Dixe qu'intigamente osavem 'ma cinta, c'má qu'agora usem os qu'andem a tocar o bombe, encheu a cinta de pedras e passa aquele cão grande, prete, ó pé dele e correu-o à pedrada. O cão deu um berre tão grande que parecia uma pessoa.

Source GOUVEIA, Jorge Contos Populares do Paúl Vila Velha de Rodao, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2008 , p.15

Year1990

Place of collection Paul, COVILHÃ, CASTELO BRANCO

CollectorJorge Gouveia (M)

InformantMaria José Gouveia Sardinha (F), Paul (COVILHÃ) CASTELO BRANCO,

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications