Lenda da Mulher Morta

APL 1685

Antigamente, as pessoas respeitavam muito os dias santos, ninguém trabalhava nesses, porque costumavam até dizer que quando as pessoas nesses dias trabalhavam era um abuso e que ás vezes até aconteciam exemplos para que as pessoas pensassem nisso.
 Houve um dia desses, um dia santo de guarda, que uma senhora foi lavar roupa, na ribeira, como era habitual, no sítio da Varja do Farelo, e essa senhora quando estava a lavar a roupa desapareceu por completo até hoje nunca mais ninguém a viu e a esse sítio, esse local ficou mesmo com o nome de Mulher Morta, porque a senhora nunca mais apareceu. Isso serviu de exemplo; esses e outros casos servia[m] de exemplos para muitas pessoas que nessa época não faziam determinados serviços, determinados trabalhos, abstinham-se dessas coisas, porque aconteciam exemplos assim e outros parecidos.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a, , p.1997/98

Year1998

Place of collection Portimão, PORTIMÃO, FARO

CollectorPatrícia Conceição (F)

InformantMaria Manuela Duarte (F), 57 y.o., born at Portimão (PORTIMÃO) FARO,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications