A alma penada

APL 1742


 Eu e a minha mãe andabamos no monte e pousamos um molho na parede e depois a minha mãe queria erguê-lo e não podia! A minha mãe biu aquela alma sentada em cima do molho, eu não a bi!
 Ela queria erguer e não podia. Eu disse:
 - Sabe o que bocê faz? Faça o sinal da cruz!
 Então depois aquilo parecia uma troboada, foi boto tudo ó ar!
 - Jesus, foi algum pinheiro abaixo?!
 Não foi nada. Fui buscar outro molho e estaba tudo direitinho, igual.

Source AA. VV., - Literatura da tradição oral do concelho de Vila Real s/l, UTAD / Centro de Estudos de Letras (Projecto: Estudos de Produção Literária Transmontano-duriense),

Place of collection Nogueira, VILA REAL, VILA REAL

InformantMaria de Lurdes Florindo (F), 53 y.o., Nogueira (VILA REAL) VILA REAL,

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications