A Teresa Grande

APL 1743

A Teresa bestia-se cum lençol por cima dela. Era uma mulher munto alta. E ela, p’ra meter medo, quando a gente ia co as casuladas, ela escondia-se. E a gente, ao ir pó campo, lá p’ra baixo, pó fundo do pobo e a gente ia p’ra lá e depois a gente tinha que bir p’ra cima [com o medo].
E aqui debaixo estaba uma berbeira [que dá figos] e ela punha-se aqui debaixo escondida co lençol. E depois num habia luz naquela ocasião, num habia luz, num habia nada… Pronto! A gente temia, a gente binha das casuladas e a gente tinha medo. Ela era munto grande, munto escarrampantchada co lençol…
Depois, ela agarrava os calondros, tiraba-lhe aquela pele toda que aquilo tem por dantro e fazia os olhos, fazia a boca e punha uma bela na boca. E depois, era noite escuro e a gente fugia. Essa mulher era a Teresa Grande!

Source AA. VV., - Literatura da tradição oral do concelho de Vila Real s/l, UTAD / Centro de Estudos de Letras (Projecto: Estudos de Produção Literária Transmontano-duriense),

Place of collection Parada De Cunhos, VILA REAL, VILA REAL

InformantMaria Celeste Lopes Freitas (F), 66 y.o., Parada De Cunhos (VILA REAL) VILA REAL,

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications