A Costureirinha

APL 1799

[Era] uma rapariga que andava na costura, e disse que com o primeiro dinheiro comprava um manto para a Nossa Senhora, com o primeiro dinheiro que ganhasse na costura. E então (…) foi ganhando e foi gastando e foi gastando, logo comprava e coiso… e passou-se o tempo e morreu, não comprou. E, depois, agora, andava pelo mundo sempre trabalhando, até ganhar. E agora já tinha morrido, mas tinha o castigo de andar sempre cosendo à máquina.
E depois diziam que andava há não sei quantos anos já na terra (não me lembra quantos). E, depois, quando passassse esses tantos anos que ainda ia outros tantos para o mar trabalhar, por castigo, porque não comprou o manto para a Nossa Senhora.
E depois ouvia-se a máquina a trabalhar.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1998

Place of collection Monchique, MONCHIQUE, FARO

CollectorCarla Barão (F)

InformantMaria Ana Costa (F), 78 y.o., Monchique (MONCHIQUE) FARO,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications