A Menina da Máquina

APL 1817

Olha, esta [lenda] é ainda mais antiga e nós, quando éramos crianças, ouviamos por todo o Algarve e por todo o país. É uma lenda que muitas pessoas contam, até do Norte ao Sul, principalmente da minha idade.
 Há cerca de trinta anos, deixou-se completamente de ouvir, diziam que era a história da menina da máquina. É uma lenda muito antiga, quase ninguém se lembra dela, mas eu ainda recordo, quando andávamos na escola, quando íamos a ter com as amigas à costura, ou mesmo dentro de casa, a minha mãe ouvia, os meus avós já diziam que ouviam, os pais deles também e foram transmitindo às gerações.

 Era, então, a história… a lenda da menina da máquina. Tinha sido uma senhora que teve uma grande doença e, então, prometeu à Nossa Senhora oferecer um manto e um vestido e (toda) também um cordão de ouro, tudo o que era necessário e que se oferecia aos santos, ela prometeu à Nossa Senhora se se curasse dessa doença. É claro que ela curou-se e, depois, ela trabalhava em costura e, que…, então…, mesmo ela própria confeccionaria um manto e um vestido à Nossa Senhora. Só que ela não cumpriu a promessa (não), porque a fazer o vestido e o manto ela teria de dispor de certo tempo e não ganhava dinheiro e, como era muito interesseira, fazia costura para os outros e nunca mais se lembrou de pagar a promessa até que ela morreu e não pagou a promessa. E, depois, aparecia às pessoas e foi encantada porque não… diziam que ela, portanto, andava errante pelo mundo porque não tinha pago a promessa que ela tinha feito à Virgem. E, então, ouvia-se nitidamente, ela andava, andou, durante muitos anos, segundo tinha que cumprir uma penitência de mais de cem anos, ou cem anos, que se dizia na altura, e quando terminasse[m] aqueles anos é que ela entraria no reino dos céus.
 Era o que se dizia na altura, de maneira que nós ouvíamos… ela andava a cumprir a penitência, tinha que costurar toda a vida, ouvia-se então, sentia-se a presença dela, eu ouvi nitidamente quando era criança, o meu marido ouvia, todas (todas) as pessoas da minha geração, toda a gente ouvia a menina da máquina; e, depois, parava, ouvia-se a tesoura bater no tampo [da máquina], ouvia-se cortar as linhas e ouvia-se o ruído, ouvia-se a pedalada da máquina - tal e qual a pedalada da máquina de costura - e da tesoura sobre as linhas… ouviu-se (muito) durante muito tempo.
 Quando ela tivesse aqueles anos de penitência, deixar-se-ia de ouvir. Só que deve haver uns vinte anos que não se ouve a menina da máquina - e toda a gente ouvia, desde os rapazes às raparigas - portanto, isto é uma lenda muito antiga. É uma lenda que se falava de norte a sul do país, que muitas pessoas conheciam.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1998

Place of collection Fuseta, OLHÃO, FARO

CollectorLidório Lopes (M)

InformantMaria Isabel (F), 63 y.o., born at Fuseta (OLHÃO) FARO,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications