A Costureirinha

APL 1818

Havia uma rapariga nova que era costureira e que tinha muita habilidade, tinha muitas clientes, tinha muito serviço. E então, talvez por isso adoeceu com uma doença grave. E, coitada, muito pesarosa com isso prometeu oferecer à Nossa Senhora da igreja lá da terra dela um lindo manto do melhor tecido que ela pudesse comprar e da melhor maneira que ela [o] soubesse fazer (o manto). (Quer dizer, um manto do melhor que ela soubesse fazer).
 De maneira que a rapariga, passaram-se uns meses, começou a melhorar, começa a melhorar e fica boa. E como era muito nova, (tinha ainda), pensou que ainda tivesse muito tempo na vida para pagar o manto, e depois tinha muito trabalho novamente para fazer, e então (foi adiando) foi adiando o pagamento do manto à Nossa Senhora.
 E acontece que os anos vão passando, ela morreu num acidente, e então não pagou, não chegou a pagar o manto à Nossa Senhora. (Pois).
 E então, (pois começaram as pessoas, olhe), as pessoas começaram a ouvir, a ouvir o barulho da máquina de costura, tic-tic-tic, que era assim uma coisa assim: tic-tic-tic-tic-tic… e, depois, o pousar da tesoura em cima da mesa, tudo… (pois,) em todas as casas as pessoas começaram a ouvir isto: o tic-tic-tic-tic da máquina, o pousar da tesoura, o cortar, até parece que ouviam o cortar da roupa. E eu própria, aqui há muitos anos, estava em casa e cheguei a ouvir, (assim parecia,) embora fosse uma coisa assim baixa, (não é,) não era um som muito alto nem nada, mas ouvia-se, parecia mesmo que era o pousar da tesoura, o cortar da roupa e o tic-tic-tic-tic da máquina de costura, aquele ruído próprio das máquinas de costura. De maneira que toda a gente dizia que era a costureirinha, quando se dizia que ouvíamos isto em casa, que era a costureirinha que não (tinha,) que não tinha feito o manto (para) que prometeu à Nossa Senhora, quando estava doente. Viu-se muito aflita e prometeu aquele manto. E então, como morreu (e não pagou, e não) e não pagou o manto, diziam que ela (que estava, diziam que ela que estava a) que se andava assim de casa em casa… as pessoas ouviam precisamente por não ter, por não fazer o manto [as pessoas ouviam-na precisamente por ela não ter feito o manto]. Há outras pessoas que dizem que como nunca mais, quer dizer, ultimamente não se tem ouvido tanto, isto foi já há muitos anos, era eu miúda, dizem que ela que levou a fazer o manto, que andava assim para fazer o manto à Nossa Senhora e que depois, só depois muitos anos do manto estar pronto, (estar feito) é que se deixaram de ouvir, já ninguém, pelo menos que eu saiba e não, mais ninguém tem ouvido a costureirinha, isto era eu miúda, tinha para aí uns oito anos, ou dez, quando ouvia e a minha irmã também ouvia, e deixou-se então de ouvir porque dizem que ela que andou nisso assim, nós não sabíamos, não é, julgávamos que (era) era por não ter pago. (mas foi precisamente, dizem que foi para fazer, e que o manto já está) Enquanto o manto não foi feito, ouvia-se a costureira; depois que ela acabou o manto e ofereceu-o à Nossa Senhora, mesmo depois de morta, deixou-se de ouvir a costureira.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1998

Place of collection Alcantarilha, SILVES, FARO

CollectorMargarida Montes (F)

InformantFilomena do Carmo (F), 60 y.o., born at Alcantarilha (SILVES) FARO,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications