[A Moura de Quarteira]

APL 1819

Agora vou-vos contar uma lenda antiga; ali perto da fonte de Santa Cruz existiu mesmo. Era, era um Forte, a quem o povo chamava a Torre, dada pela sua forma e construção. E duma das paredes da entrada, da mesma, existia lá uma placa onde dizia — “Património do Estado”. Nessa altura como o povo não se opunha e a Câmara de Loulé aproveitou apoderou-se dela e vendeu.
 Então diziam os pescadores, quando iam para o mar e sempre depois da meia-noite, que viam sentada no gargalo de um poço que existia ali perto, (que eu ainda conheci), uma moura encantada a pentear os seus grandes cabelos. Para alguns, era sinal de medo e respeito, para outros era paródia. Então estes diziam-lhe:
 - Boa noite!
  E ela respondia:
 - Quem vai, vai. Quem está, está.
 E lá seguiam os pescadores, cada um fazendo o seu comentário. Outros diziam que ela não queria era falar. Isto é mais uma lenda que ficou na história de Quarteira.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1996

Place of collection Quarteira, LOULÉ, FARO

CollectorMaria Adelina Osório (F)

InformantSilvina Maurício Neto Estêvão (F), 58 y.o.,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications