Lenda do Cabeço de Monsanto

APL 1861

Vou contar a lenda do Cabeço de Monsanto. O mê pai quando eu era pecanina dizia assim pra mim: «olha lá, filha, vês ali aquele cabeço? Vejo sim senhor meu pai.» «Olha, aquele cabeço houve lá uma guerra muito grande, eram os Mouros com as gentes de Monsanto depois durou oito a dez dias, e os Mouros combatiam os homens de Monsanto, a gente de Monsanto, e eles depois no fim de lá estarem, já mesmo no cimo do cabeço, já não tinham mesmo quase nada para comer, mas p’ra enganarem os Mouros, um dia agarraram numa bezerra c’a barriga muito cheia de trigo, um pote grande cheio de trigo, e deitaram-no do castelo abaixo.
 Os Mouros, quando viram aquilo disseram uns para os outros: á, este ainda têm lá muito que comer, se inda estão a deitar trigo do cabeço abaixo, e uma bezerra com a barriga cheia, podemo-nos ir embora que nós estemos vencidos.
 Inda hoje se faz essa festa dia dois ou dia três de Maio, não tenho a certeza mas eu acho que foi no dia dois ou três de Maio, inda hoje fazem esta festa da bezerra deitada do cabeço de Monsanto abaixo.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1997

Place of collection Idanha-A-Nova, IDANHA-A-NOVA, CASTELO BRANCO

CollectorSusana Farropas (F)

InformantBenvinda de Jesus Tapadas (F), 71 y.o., Idanha-A-Nova (IDANHA-A-NOVA) CASTELO BRANCO,

Narrative

When XII Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications