Lenda da pita-cega e a lavandeira

APL 211

Quando S. José e Nossa Senhora fugiram para o Egipto com o menino, a fim de escaparem à fúria de Herodes, como o Anjo lhes ordenara, tiveram que atravessar áridas veredas cobertas de pó e areia. Em sua perseguição seguiam os soldados daquele rei tirano, para darem ao Divino Infante a mesma morte cruel que tinham dado aos inocentes de Belém.
 A pita-cega, a tal ave demoníaca, ia acompanhando a Sagrada Família, e, para avisar os soldados perseguidores, pousava à frente da burrinha, onde seguia montada a Virgem e o Menino, e soltava o seu lúgubre canto: cá-vou, cá-vou, cá-vou.
 Por sua vez, a alvéola ou arvela, a que o povo chama lavandeira, seguia atrás da jumentinha e, com o seu andar muito miudinho e ligeiro, como o de uma bailarina, ia apagando as patadas deixadas no pó do caminho pelo animal, a fim de despistar os soldados que assim ficavam sem saber qual o caminho que deviam seguir.

Source OLIVEIRA, Casimiro Raízes: Poesia, Contos e Lendas Mogadouro, Associação Cultural e Recreativa de Soutelo, 1998 , p.65-66

Place of collection Soutelo, MOGADOURO, BRAGANÇA

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications