O Marido Lobisomem

APL 1911

Certo dia, andava um casal a trabalhar no campo até muito tarde. Como a noite era de lua cheia, e por isso tinha luz bastante para verem o que andavam a fazer, deixaram-se estar a até altas horas, acabando por voltar a casa já perto da meia noite.
 No regresso, e porque o caminho era longo, a dada altura a mulher disse ao homem:
 — Vai tu andando, que eu vou ali fazer uma mija.
 A mulher saiu do caminho e esgueirou-se para o meio de um giestal, onde procurou um sítio ajeitado para se aliviar. Nisto, quando estava agachada a fazer as necessidades, apareceu-lhe, a espreitar entre as giestas, um burro, que desatou a rir mal ela o viu. E a seguir rasgou-lhe o vestido com os dentes.
 A mulher, muito aflita, deitou a correr para o pé do marido, mas levou tempo a encontrá-lo.
 — Onde estás, homem? Onde estás, homem? — gritava ela, para um lado e para o outro, já no caminho.
 Quando finalmente o encontrou, estava ele também a rir-se, e, entre os dentes, tinha um bocado do vestido rasgado da mulher.

Source PARAFITA, Alexandre Antologia de Contos Populares Vol. 1 Lisbon, Plátano Editora, 2001 , p.220

Year1981

Place of collection Sobreiró De Baixo, VINHAIS, BRAGANÇA

InformantPe. José Domingos Fernandes (M), 65 y.o., Sobreiró De Baixo (VINHAIS) BRAGANÇA,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications

TypesChristiansen 4005 The Werewolf Husband