O lobisomem

APL 1973

Em Olhão antigamente todas as pessoas antigas trabalhavam numa conserveira e então antigamente todas as famílias que tinham sete filhos, o último filho era o lobisomem. E então, uma mulher uma vez, era sete da noite, ia para casa e levou um coiço dum burro, tipo lobisomem. A mulher assustou-se e fugiu para casa. No dia a seguir foi trabalhar, passa um homem que trabalhava lá na conserveira e diz: então não me viste ontem? Dei-te um coiço?
Para que este feitiço desaparecesse teriam de queimar toda a roupa da respectiva pessoa, do sétimo filho. Assim como a sétima filha também era bruxa e então tinha-se de queimar a roupa toda.

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year2005

Place of collection Olhão, OLHÃO, FARO

CollectorMargarete Simões (F)

InformantSara Filipa Guerreiro Roma (F), 24 y.o., born at Olhão (OLHÃO) FARO,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications