[O Encante e a Vaca]

APL 2164

Tamém havia um homem que, (esse, esse tamém era encante) era um que tinha uma vaca e tinha dois bezerrinhos e atão ele que nã ordenhasse o boi… que nã ordenhasse a vaca, que a deixasse… os bezerrinhos mamarem da vaca, daquela vaca. E odepois lavrava a terra com um arado (sabe o que é um arado?); lavrava a terra com um arado e, e odepois tirava o encante! E o homem foi, assim foi, a vaca pariu os dois bezerrinhos... e ele foi a... que ele tinha uma vaca d’um ano. Ordenhou a vaca de um lado, para fazer isso, para tirar o encante assim, os bezerrinhos estavam capaz, meteu um arado. E o boi que nã tinha tirado... que ele nã tinha ordenhado da mãe rompia com o arado, agora o outro ficava para trás, nunca foi capaz de tirar o encante.
 (isto eram encantes, pois nunca foi capaz de tirar encantes, porque ordenhou a vaca daquele lado que nã havia de ordenhar. Isto tinha de ser como havia de ser).

Source AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Year1997

Place of collection Nossa Senhora Do Bispo, MONTEMOR-O-NOVO, ÉVORA

CollectorFabiola Lopes (F)

InformantCustódia Correia (F), 74 y.o., Nossa Senhora Do Bispo (MONTEMOR-O-NOVO) ÉVORA,

Narrative

When XX Century,

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications