Lenda do penedo das mouras

APL 285

Há muitos, muitos anos num penedo que ainda hoje existe em Parada, rodeado de velhas mimosas, viviam sete mouras encantadas.
 Todas elas tinham longos cabelos louros, olhos azuis que lembravam o Céu e a pele branca como a neve. Esta beleza tão rara não era contemplada, pois ninguém sabia o que ali se passava.
 Um jovem pastor, chamado Manuel, costumava apascentar o seu rebanho por aqueles lados. Um dia, uma ovelha desapareceu e o Manuel foi procurá-la. Ficou surpreendido ao ver sete jovens tão bonitas e tanto ouro a assoalhar em cima do penedo. As Mouras pressentiram que estavam a ser observadas e disseram a seguinte frase:
 -Abre-te Salandro!
 Logo o penedo se abriu e apareceu uma espécie de cauda, que varreu o ouro para o interior do mesmo.
 O Manuel estava admirado com o que tinha visto e decidiu descobrir o segredo daquela rocha.
 À noite, disfarçou-se de um pequeno arbusto e aproximou-se do penedo. Viu um espectáculo maravilhoso!
 Sete Mouras com vestes brancas e cheias de jóias, dançavam à volta de uma fogueira...
 O Manuel ficou tão deslumbrado que logo se apaixonou pelas sete donzelas.
 As jovens ao verem o arbusto mexer-se assustaram-se e disseram a frase mágica; o penedo abriu-se rapidamente e elas correram a esconder-se no seu interior. Mas, uma delas tropeçou numa raiz e caiu – já não conseguiu entrar. Então, o Manuel aproximou-se dela, pegou nela ao colo e fugiu. Os jovens desapareceram da aldeia e até hoje, volvidos que foram tantos anos, ninguém sabe o fim que eles tiveram.
 Há, no entanto, quem diga que em noites de luar aparece um casal de apaixonados sobre o penedo.

Source ALVES, Maria da Piedade Lopes Memória e Tradições Carregal do Sal, DREC - CAEV coord. concelhia de Carregal do Sal, 1995 , p.25

Place of collection Parada, CARREGAL DO SAL, VISEU

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications