Lenda do sal

APL 57

No tempo em que as mulheres trabalhavam de sol a sol, chegavam a casa muito tarde, faziam a ceia e iam lavar a roupa ao ribeiro de Cacela. Um dia, uma mulher que estava a lavar a roupa já de noite, ouviu vozes.
 Era uma mãe moura que estava a mandar encantar a sua filha de catorze anos com uma bolsa cheia de ouro, porque a filha tinha-lhe atirado uma tesoura à cara e ela tinha ficado com a cara cheia de feridas. Como castigo a mãe encantou-a dizendo:
 - Só serás desencantada quando este campo for todo semeado de sal.
 A mulher que estava a lavar a roupa ouviu tudo e correu para casa, a contar ao marido. Como eles nunca tinham tido filhos, a mulher propôs ao marido que semeasse o campo de sal para poderem ficar com a menina que era muito bonita. Depois da mulher tanto lhe pedir, ele decidiu semear o campo de sal, desencantar a menina e ficar com a bolsa de ouro. A partir desse dia viveram felizes com a sua nova filha.

Acabou-se o conto
No cu
Te dou um ponto.

Source FERNANDES, Maria Emília Mourinhos e Mouras Encantadas em Cacela Vila Real de Santo António, Câmara Municipal de Vila real de Santo António, 2007 , p.21

Place of collection Vila Nova De Cacela, VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO, FARO

CollectorMaria Emília Fernandes (F)

InformantRita Fernandes (F), Vila Nova De Cacela (VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO) FARO,

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefSome Belief

Classifications