A roupa branca de Ardínia (A)

APL 747

Conta-se que, noutros tempos, antes da construção da albufeira, quando as águas do rio Távora no Inverno subiam para as margens, cobriam uma grande rocha que lá havia. Depois, ao chegar a Primavera, as águas baixavam e a rocha ficava à vista e brilhavas sempre muito quando o sol matinal batia sobre ela.
 O povo das aldeias à volta, que ao longe via aquela imagem, dizia que era a roupa branca de Ardínia estendida na fraga a secar ao sol. Há também quem diga tê-la visto em noites mais claras.

Source PARAFITA, Alexandre Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1 Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , p.152

Year2006

Place of collection Granjinha, TABUAÇO, VISEU

CollectorAlexandre Parafita (M)

InformantPe. Filipe Gonçalves (M), Granjinha (TABUAÇO) VISEU,

Narrative

When2006

BeliefSome Belief

Classifications