A carvalha da senhora da saúde

APL 924

Há, junto à capela da Senhora da Saúde, um recinto pejado de frondosos castanheiros que convidam os visitantes a usufruir, com prazer, o seu religioso silêncio e uma paz verdadeiramente idílica.
 Ali acorrem muitos romeiros: uns para agradecerem favores recebidos ou pedirem a cura dos seus males, outros para comerem as merendas à sombra dos seus castanheiros e beberem a água fresca das suas fontes. Mas, junto do santuário, ergue-se uma carvalha gigantesca e multissecular que atrai particularmente a atenção dos forasteiros pela sua respeitável imponência.
 Ora, segundo a tradição, aquela majestosa carvalha, noutros tempos, foi um castanheiro como os outros que há em volta da ermida, apenas com uma diferença: as suas castanhas eram muito mais doces e saborosas que as de todos eles.
 Não havia, mesmo nas redondezes, nenhumas que se lhes pudessem comparar.
 Por essa razão, eram disputadas pelos habitantes de Saudel, que andavam à porfia, a ver quem lá chegava primeiro, para as apanhar.
 Às vezes, acontecia juntarem-se vários; e então havia discussão pela certa, quando não pancadaria.
 Por causa disso, andavam os moradores da povoação todos desavindos: vizinhos contra vizinhos e até irmãos contra irmãos.
 Nossa Senhora, no seu altar, observava, com profundo desagrado, todas aquelas questiúnculas. Numa manhã, em que as contendas se agravaram, perdeu a paciência e resolveu pôr-lhes termo.
 Saiu da capela, apareceu-lhes, em cima duma pernada do castanheiro, e disse-lhes, com ar triste e severo:
 - Meus filhos, porque é que não evitais essas rixas tão feias, entre vós, distribuindo as castanhas irmãmente? Como Mãe de todos, não posso ver-vos assim desunidos.
 Para acabar com essas guerras e restabelecer a paz entre vós, vou fazer com que este castanheiro nunca mais dê castanhas.
 E, acto contínuo, perante a surpresa de todos, transformou o castanheiro na carvalha, que agora lá se encontra.
 Foi um grande desgosto para todos verem-se privados, dum momento para o outro, das apreciadas castanhas.
 Mas foi remédio santo: Daí em diante, nunca mais houve desavenças entre eles, que passaram a viver sempre unidos, graças à intervenção de Nossa Senhora da Saúde que eliminou o pomo da discórdia.
 E foi assim que nasceu a famosa carvalha de Nossa Senhora da Saúde que ainda conserva por dentro a madeira do castanheiro, segundo afirmam os moradores de Saudel.

Source FERREIRA, Joaquim Alves Lendas e Contos Infantis Vila Real, Edição do Autor, 1999 , p.92-93

Place of collection São Lourenço De Ribapinhão, SABROSA, VILA REAL

Narrative

When XX Century, 90s

BeliefUnsure / Uncommitted

Classifications