A alma da jovem pastora

APL 2754

Os antigos acreditavam que os fogos-fátuos que, em certas noites, apareciam nos cemitérios eram as almas dos defuntos que saíam a penar. E conta-se no concelho de Vinhais uma lenda sugestiva.
Próximo do lugar de Santa Cruz, era costume ver-se durante a noite, na margem do rio Tuela, uma luz a pairar, o que muito amedrontava os habitantes, levando-os a recolherem-se nas suas casas antes do anoitecer.
Diz o povo que um frade, ao passar por aqueles lados, não resistiu aos encantos de uma jovem pastora que encontrou a guardar as vacas num lameiro, e que, após abusar da sua inocência, resolveu matá-la por recear que ela o denunciasse na povoação. Acontece que, ao tentar sepultá-la na margem do rio, o corpo recusou-se a entrar na terra e desapareceu.
Por isso, o povo passou a acreditar que a luz que era vista a pairar na zona fosse a alma da jovem que andava a penar.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos Lisboa, Plátano Editora, 2000 , p.65

Place of collection Santa Cruz, VINHAIS, BRAGANÇA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications