A alma do abade

APL 2755

Houve noutros tempos na aldeia de Agrochão um padre que andava sempre a dizer “ai vida, vida!”, lamentando-se por tudo e por nada. Chamavam-lhe, por isso, o “Abade vida-vida”.
Um dia morreu. E daí a algum tempo, segundo diz o povo, quem passasse à meia noite junto à sua casa, ouvia a voz do padre lá dentro, que continuava a exclamar: “Ai vida, vida!”
Esta foi razão bastante para que ninguém mais quisesse morar naquela casa. E, mesmo hoje, as pessoas evitam passar perto dela, sobretudo durante a noite. É conhecida como a “casa do abade”, e encontra-se em ruínas. O povo acredita ainda que a alma do padre continua a habitá-la.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos Lisboa, Plátano Editora, 2000 , p.68

Place of collection Agrochão, VINHAIS, BRAGANÇA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications