A bacia de ouro

APL 3647

Existe uma mina no Alto da Senhora da Graça, perto da Garganta dos Palhaços, denominada Mina dos Mouros. Num dia primaveril, duas mulheres guardavam o seu rebanho e, quando deram conta, estavam perto da mina, da qual já tinham ouvido falar, e na qual habitava um povo: os mouros.
    Ao chegarem lá, encontraram um ancião que consigo trazia uma bacia de ouro. E, perante tanta riqueza, uma das raparigas, que era a mais ousada, sentou-se no colo dele enquanto a outra, aproveitando a ocasião, lhe deu com o cabo da roca na cabeça, deixando-o desmaiado. Depois encheram os aventais de ouro e fugiram. Quando iam a meio do caminho, ouviram uma voz que dizia:
    — Levai, levai, que levais para os vossos netos e bisnetos!
    Elas, ao ouvirem isto, olharam para trás e viram o homem no cimo dum penedo, mas continuaram o caminho. Um pouco mais à frente sentiram menos peso nos seus aventais, e qual não foi o seu espanto quando viram que o ouro se tinha transformado em carvão.
    Já muitos tentaram entrar na mina, mas nunca ninguém o conseguiu, porque, uma vez lá dentro, ninguém de lá sai.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.292-293

Ano1999

Place of collection Vilar De Ferreiros, MONDIM DE BASTO, VILA REAL

ColectorLuis Jales de Oliveira (M)

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications