A bicha-moura de São Bartolomeu

APL 617

Segundo ouvimos contar, no monte de São Bartolomeu estão enterradas uma grande pipa de ouro, que é guardada por uma bicha-moura ou moura encantadas, uma pipa de azeite e uma pipa de peste. A pipa de ouro e a pipa de azeite são de tal valor que tornariam Portugal o país mais rico do mundo se fossem desenterradas, disse-nos o nosso informador, mas o povo não se atreve a fazê-lo com medo da bicha-moura e da pipa de peste, que se confunde com as outras pelo aspecto.
 Várias pessoas têm pensado em desencantar esses tesouros, servindo-se do Livro de S. Cipriano.
 Houve quem, um dia, desse início ao desencantamento. Traçou, no chão, um signo-saimão, pronunciou as palavras rituais, mas teve receio de continuar, porque rompeu um ciclone furioso, as árvores começaram a estalar e a terra a tremar.
 Conta-se, também, que a moura costuma soalhar o ouro, no dia de S. João. Uma vez, um lavrador deu com a moura nesse trabalho e, deslumbrado com tanto ouro, exclamou:
 — Credo, Santo Nome de Jesus!
 E, ao acabar de pronunciar estas palavras a terra abriu-se, todo o ouro desapareceu e a linda moura converteu-se numa serpente enormíssima.

Fonte Biblio SOUSA, Arlindo de Umica Aveiro, Separata de Arquivo do Distrito de Aveiro, vol. XX, 1954 , p.53

Place of collection Feira, SANTA MARIA DA FEIRA, AVEIRO

Narrativa

When XX Century, 50s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications