[A Dourada]

APL 2175

Logo a seguir ao tremor de terra do primeiro de novembro de 1755, toda a gente, que se recolhera ao templo, sahiu fóra a presenciar os estragos occasionados pelo tremôr. Era tudo uma triste solidão. Nem um predio em pé, nos campos; e a ermida na praia desapparecera. Alguma arvore offerecia as suas raízes desnudadas. A certa distancia de uma d’estas arvores notou-se que nas suas raizes havia qualquer cousa viva. Aproximaram-se e viram então que entre as raizes ficara presa uma dourada, que estrebuxava.
 No Algarve é a dourada um peixe muito conhecido, e assim denominado pelos reflexos dourados das suas escamas.
 Ficou o nome posto ao sitio, que até hoje o tem conservado.

Fonte Biblio OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde A Monografia de Alvor Faro, Algarve em Foco, 1993 [1907] , p.203

Place of collection Alvor, PORTIMÃO, FARO

Narrativa

When1755

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications