“A encruzilhada da alma penada”

APL 1998

Aqui perto, perto no Concelho de Albufeira, numa zona que chamam… Que chamam não! Que é uma terra que é a Torre de Mesqueira… Havia ali uma aldeia que tinha al…. Havia uma encruzilhada. E geralmente, antigamente, as pessoas tinham por hábito dizer que nas encruzilhadas apareciam almas penadas e mulas sem cabeça e fantasmas… E inventavam essas coisas todas e que de noite, muitas vezes de noite, as pessoas tinham medo de andar de noite porque fazia muito escuro, a não ser que andavam em grupos, com medo. E então, nessa encruzilhada, diziam que aparecia ali uma alma penada, um fantasma de uma pessoa que tinha falecido ali que tinha-se enforcado ali numa alfarrobeira.
 Ora acontece que, um dia, vinha dois rapazes da taberna, que era ali perto, quando eles viram uma figura andar a vaguear pelos quatro caminhos para cá, para lá… para cá, para  lá… Assim vestida de branco e umas velas acesas. Eles apanharam um susto tão grande! Voltaram para trás a correr, a correr, a correr… Foram de novo para a taberna e ninguém os fez de lá sair senão quando o sol rompeu, com medo de não vissem a alma outra vez.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2005

Place of collection Albufeira, ALBUFEIRA, FARO

ColectorJoão Coelho (M)

InformanteGraça Sousa (F), Albufeira (ALBUFEIRA) FARO,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications