A enxada que vertia sangue

APL 3178

Contava a minha mãe que havia um homem em Samões [aldeia próxima de Ribeirinha] que não acreditava que havia Deus. Então, para dar o exemplo ao filho, na Sexta-Feira Santa disse:
— Levanta-te para ir-mos trabalhar para a vinha!
O filho dizia:
— Meu pai, hoje é Sexta-Feira Santa, é pecado!
    E ele:
— Vamos, pois temos de ir! Os dias santos são para os preguiçosos!
Lá pegaram as enxadas e foram. Os vizinhos, ao vê-los, também lhes diziam:
— Hoje é um dia santo muito grande!
Mas ele não ouvia ninguém. Então, quando começou a cavar, a enxada começou a verter sangue. O filho dizia-lhe:
— Meu pai, olhe tanto sangue na sua enxada!
E tanto se encheu de razão, que lá parou de trabalhar e foi para casa. Só durou sete dias. Ao fazer sete dias, morreu e a enxada deixou de verter sangue.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2 Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , p.297

Ano2004

Place of collection Vilas Boas, VILA FLOR, BRAGANÇA

InformanteZulmira Garcia Carvalho (F), 60 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications