[A lenda da Costureirinha]

APL 2025

(…) quando eu era pequena comecei a ouvir um som, isto no meu quarto, que eu no início não identificava como se fosse sendo de uma máquina de costura. Mas aquilo, todas as noites ouvia aquele som e um dia perguntei à minha mãe e disse – Olha às de ir lá para o meu quarto que eu ouço assim um som e a de, não sei o que é aquilo nem se onde vem, e depois ela disse – Ah e então não é assim como um barulho da máquina de costura. – Sim é! – Á pois eu também ouço – disse-me a minha mãe – eu também costumo ouvir esse som, porque…!

E depois contou-me a história, até que diz que era aqui da nossa zona, que ouve uma senhora que era costureira, que ficou doente e pronto é uma pessoa muito pobre e não tinha dinheiro como se tratar, não sei, e então fez uma promessa, de que se ficasse boa que oferecia a máquina de costura a Nossa Senhora. Depois, penso que ficou boa, ficou boa, ficou boa, a doença passou, mas como era muito pobre e não tinha, não tinha outro meio de sustento e não cumpriu a promessa me disse, que começou a alma dela a andar por esse mundo a penar, então ouvia-se o som da máquina de costurar. E a minha mão disse-me que tinha sido por ela não ter cumprido a promessa, que a Nossa Senhora a castigou.

 

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2006

Place of collection Cachopo, TAVIRA, FARO

ColectorGilda Gonçalves (F)

InformanteMaria Eduarda Gonçalves (F), 39 y.o., born at Cachopo (TAVIRA) FARO,

Narrativa

When XX Century,

CrençaSome Belief

Classifications