A lenda da Senhora da Capela

APL 1792

Em tempos já idos, constava que junto a um dos postigos da velhinha Capela de Santa Bárbara (antiga capela de Nossa Senhora da Guadalupe), erguida na Amoreira Fundeira (Freguesia de Portela do Fojo), aparecia em certas noites o vulto de uma mulher, com um véu, orando de joelhos.
Pensavam os nossos avós que era, certamente, uma mulher com algum degredo ou fadário. O "fadário" verificava-se após a morte de uma pessoa e sucedia àqueles que, durante as suas vidas, fizeram alguma promessa a alguém (normalmente a um Santo ou uma Santa de sua devoção), foram atendidos nas suas preces mas esqueceram-se, mais tarde, de cumpri-la. Assim, após o seu falecimento e antes de irem para o Purgatório, deambulam pela Terra penando por não terem cumprido o voto prometido, em contrapartida à graça com que foram atendidos.
Certo, certo é que o vulto da mulher junto da capela de Santa Bárbara era frequente, mas ninguém tinha coragem de chegar junto dela, pois pensavam que ela lhes poderia fazer mal ou que lhes levaria as suas almas. Por isso, sempre que na noite em causa se suspeitasse que a Senhora da Capela estaria junto de um dos postigos nenhum Amoreirense sairia à rua, tal era o terror.
Numa dessas noites, um homem mais corajoso do que os demais da aldeia avistou o vulto da Senhora da Capela, como era hábito junto de um dos postigos, e pôs-se a caminho ao encontro da mesma. Uma vez ali chegado, observou a dita Senhora prostrada, com um véu, junto de um postigo a orar, sem que ela – aparentemente – se tivesse apercebido da sua chegada.
Então, o homem encheu o peito de coragem e dirigiu-se à Senhora da Capela perguntando-lhe:
- O que está aqui a fazer Senhora?
Nisto, a Senhora ergue-se e dá duas valentes bofetadas na face do homem, respondendo-lhe com esta misteriosa afirmação:
- Quem está, está... quem vai, vai!
E o homem fugiu apavorado para sua casa, não tendo mais vez alguma repetido tal façanha.
Consta que, algum tempo depois, a Senhora da Capela deixou de aparecer. Cumpriu, por certo, o seu fadário e pôde, finalmente, descansar a sua alma em paz.

Fonte Biblio AA. VV., - Pampilhosa da Serra - Crendices, cultura e tradição n/a, http://tradicao.com.sapo.pt/contos.htm,

Place of collection Portela Do Fojo, PAMPILHOSA DA SERRA, COIMBRA

ColectorAntónio Amaro Rosa (M)

InformanteMaria de la Salette (F), Portela Do Fojo (PAMPILHOSA DA SERRA) COIMBRA,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications