A lenda das pérolas no fundo do rio

APL 3762

Há muitos, muitos anos, vivia nas terras do Norte uma formosa princesa, que ocupava os dias passeando pelos montes e vales do seu reino, num bonito cavalo branco. Entre os seus enfeites, sobressaía um belo colar de pérolas, que naquele tempo simbolizava o estado de pureza da moça que o trazia, O pai, um poderoso rei cristão, estava sempre e recomendar-lhe todo o cuidado nesses passeios, que podiam ser perigosos devido à presença dos mouros por perto. Ela, contudo, não mostrava ter cuidado algum.
    Um dia, o cavalo regressou ao castelo sem a princesa, e logo toda a gente se sobressaltou, O seu pai mandou reunir todos os homens da guarnição e partiu com eles à procura da filha, acabando por avistá-la, ao longe, no cavalo de um mouro que a raptara e a levava para terras distantes. E não tardou que os perseguidores alcançassem o cavalo do mouro, que galopava mais lento, ou não levasse ele carrego dobrado.
    O raptor, vendo-se incapaz de levar a sua avante, resolveu livrar-se da jovem, e, ao atravessar o rio Rabaçal, atirou-a à água. Mas ao fazê-lo, deitou as mãos ao colar de pérolas e exclamou:
    — Posso não te levar comigo, mas o colar também tu o não levarás!
    As pérolas caíram à água e a corrente encarregou-se de as espalhar e fazer desaparecer. Quando o rei e os seus homens chegaram junto da jovem encontraram-na num choro enorme. Mas não chorava pelo tormento que passara nas mãos do raptor, chorava sim pelo colar perdido. E apontava para o leito do rio, num gesto de súplica, que comoveu o rei e todos quantos o acompanhavam. Perder aquele colar seria um sinal de desonra para qualquer donzela, e muito mais sendo ela uma princesa.
Tudo fizeram para consolá-la, mas em vão. A jovem não queria regressar sem o colar. O rei resolveu então ordenar aos seus homens que acampassem ali algum tempo, até conseguir acalmar a filha e poderem voltar ao castelo. Passado um momento, ouviu-se a voz de um soldado em altos gritos:
    — Alteza! Alteza! Alvíssaras!
    — Que quer aquele homem?! — perguntou o rei, intrigado.
    Trazia na mão uma das pérolas perdidas. Tirara-a do ventre de uma truta, que tinha acabado de pescar no rio. No olhar da princesa nasceu um brilho de esperança. E logo todos os presentes correram para diferentes zonas do rio, tentando cada um pescar o maior número de trutas. O próprio rei foi pescar também.
    Dali a nada, parecia um milagre o que estava a acontecer: tanto o rei como os soldados haviam pescado tantas e tantas trutas, que, depois de abertas, tinha sido possível encontrar, finalmente, as pérolas perdidas.
    E assim a princesa pôde recuperar o seu valioso colar e regressar, feliz, ao castelo, servindo-lhe o sucedido de lição, pois não voltou a ignorar os conselhos do pai. Este, para comemorar, mandou fazer um grande banquete para o povo com as trutas que pescaram no rio. Foi de comer e chorar por mais. Nunca ninguém havia provado peixe mais saboroso.
    Ainda hoje as trutas do rio Rabaçal, que atravessa o concelho de Vinhais, em Trás-os-Montes, são famosas pelo seu sabor inigualável. Dizem os antigos que é um dom que ganharam com as pérolas da princesa.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.377-378

Ano1999

Place of collection-, VINHAIS, BRAGANÇA

Narrativa

When

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications