A lenda do canto das almas

APL 481

Contou-me a minha mãe que antigamente, quando aqui em Alvor se ouvia à noite cantarem pelas ruas o Canto das Almas, toda a gente tinha um medo horrível. Eram umas vozes muito soturnas que até davam arrepios. E diziam que ninguém podia sair à rua nem chegar-se às janelas enquanto soasse aquele canto porque algum mal acontecia a quem se assomasse p’ra ver quem cantava.
 Uma noite houve uma senhora que teve a curiosidade de abrir a janela e espreitar. Quando se debruçou viu passar pela frente dela uma grande sombra muito escura, que lhe bateu, e deu com ela desmaiada no chão.
 Também contam que quem morava perto do adro da Igreja via uns clarões a luzir enquanto se ouviam as vozes a cantar. As pessoas fechavam-se muito bem fechadas em casa e rezavam pelas alminhas. Isto passava-se na altura da Páscoa.

Fonte Biblio TENGARRINHA, Margarida Da Memória do Povo Lisboa, Colibri, 1999 , p.73-74

Place of collection Alvor, PORTIMÃO, FARO

InformanteFernanda da Trindade Vidal (F), born at Alvor (PORTIMÃO) FARO,

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaSome Belief

Classifications