A lenda do Sant’Iago

APL 1193

Em era remota vivia em Edral, região de Lomba, abastado fidalgo de nobre solar. Os amores que, a ocultas, mantinha com formosa aldeã, levavam-no a combinar freqüentes idílios no logar de Ribas, na encosta íngreme da margem direita do rio Rabaçal. Certo dia o nobre fidalgo saiu à caça; depois de bater a mata espêssa de urzes, medronheiros e xardões (nome dado ao quercus illex), com os fogosos podengos, sentou-se sobre uma fraga, relanceando a vista pela selva em flor, para ver, se o oscilar de algum arbusto lhe denunciava a presença da bela aldeã. O sol já havia fugido do monte fronteiro, a noite ia caindo quieta e taciturna;  lá, em baixo, no sopé do fraguedo informe, o rio sussurrava, coleando as puidas rochas, quando surgiu da montina escura (bosquete, têrmo regional), o vulto donairoso da linda serrana. Aproximam-se. Ele, galanteador e apaixonado, ela, mais gentil e carinhosa que nunca, descem lentamente por carreirão estreito (carreiro, atalho) em direcção a uma clareira próxima. O fidalgo tirando do bornal lauta merenda, que entregou à moçoila, procurou em volta lavada pedra que lhes servisse de mesa. Mas, horrível visão! quando se ajoelhou para assentar a provisória mesa, pôde observar que as pernas da formosa aldeã eram de cabra. Levanta-se para fugir, chama os podengos; mas ela, enlaçando-o nos braços fortes, esforça-se por arrastá-lo até à beira do alto precipício, para o lançar na corrente caudalosa do rio; êle, porém, percebendo o risco que lhe corre a vida, sem fôrças, desfalecido, lá no cume da elevada penedia, lembra-se de Deus e dos santos, e, em voz rouca, exclamou com intensa fé: Senhor Sant’Iago Menor, valei-me! Hei-de erigir-vos neste mesmo logar uma capela em vossa honra!»
 De repente uma espada chamejante scintilou à luz baça do crepúsculo; e o fidalgo só pôde ver um horrível demónio a chispar lume pelas largas narinas, e precipitar-se no rio, soltando imprecações infernais.
 Regressando o fidalgo a casa, passados dias mandou construir uma capela em honra do glorioso bemfeitor. E no último domingo de Agôsto que ali se realiza a festividade, aonde vão, apesar da aspereza do terreno, quási inacessível a mortais, milhares de devotos em piedosa romaria.

Fonte Biblio MARTINS, Pe. Firmino Folklore do Concelho de Vinhais. Vol. 1 s/l, Câmara Municipal de Vinhais, 1987 [1928] , p.87-89

Place of collection-, VINHAIS, BRAGANÇA

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications