A Moura de Giões

APL 1585

Giões é sede de uma freguesia da mesma denominação, situada na serra do Algarve e pertencente ao concelho de Alcoutim. Entre os diversos sítios desta freguesia e os lugares históricos que nela existem, destaca-se o serro das Relíquias, a três quilómetros da mesma povoação. Na parte mais elevada deste serro existem ainda hoje as ruinas de um castelo de mouros, e por isso é chamado o Serro do Castelo dos Mouros.
 Próximo das ruinas do castelo existiu uma pequena capela, intitulada a Capela da Senhora das Relíquias.
 De longa data corre no sítio e suas vizinhanças a lenda que no castelo ou na ermida existe encantada uma rica moura, formosa e gentil, moura que oferece grandes e valiosos tesouros ao feliz que conseguisse desencantá-la. Há até quem afirme que fazem parte de tão rico presente uma grande dádiva representada numa caixa de madeira, contendo trezentas barras de ouro, de oito arrateis cada barra, e uma joeira de moedas do mesmo metal.
 Diz-se também que estas riquezas e outras de valor mais subido se acham encerradas no serro das Relíquias, não se sabendo todavia o lugar determinado e certo onde podem ser encontradas, sendo unanimemente aceite a opinião de que tais riquezas tinham sido ali deixadas pelos mouros para fazer companhia à desditosa encantada.
 [...]
 Como é de supôr, a empresa, constituida no intuito de descobrir o tesouro, teve logo no principio quem lhe prognosticasse felicidades sem conto e desgostos sem medida. Uns achavam provável que encontrassem tesouros, atendendo a que os mouros quase repentinamente tinham sido violentos a largar suas casas e castelos, e por isso opinavam que nos castelos escondessem todos os seus valores, esperando mais tarde reavê-los, quando entrassem novamente na posse dos mesmos castelos. Outros partindo da crença tradicional de que os tesouros se encontravam ali às ordens e às disposições de uma moura encantada, diziam que ainda mesmo que chegassem ao sítio onde existiam os tesouros, estes se tornariam invisíveis.
 [...]
 Em 1865 resolveram dois rapazes, muito amigos, em seguida a um baile do campo, em honra e louvor de S. João, ir tomar banho em um grande pego, que existe no serro das Relíquias. Era vespera de S. João, e, segundo os costumes tradicionais desta província, os festejos celebrados nessa noite compõem-se de três partes: fogueiras, bailes e banhos.
 Quando deu meia noite largaram os dois rapazes o baile e marcharam para o pego das Reliquias. Chegaram ali muito cedo, muito cansados e muito suados. Deitaram-se sobre uma grande lage, que existe à beira do pego, conversaram por algum tempo e... adormeceram.
 Quando um dos rapazes acordou viu o seu companheiro extremamente pálido e assustado. Os olhos saiam-lhe quase das órbitas e o seu aspecto traduzia um sonâmbulo ou um doido.
 — Por que me não acordaste há mais tempo?
 — Pois não deste notícia do que aqui se acaba de passar?
 — Não... o que foi? Pareces estar a sonhar...
 — Não dormi um momento: tenho estado a conversar com a moura.
 — Ora... deixa-te de cantigas... vamos dar o nosso mergulho.
 — Não. Não me sinto em estado de me meter na água.
 —Vê lá, homem; sentes-te doente?
 — Repito, não estou capaz de entrar na água.
 O companheiro tomou o seu banho, saiu do pego, limpou-se, vestiu-se, ao passo que o seu companheiro sentado com os cotovelos fincados nos joelhos e a cabeça pousada nas mãos, parecia insensivel a tudo que o rodeava.
 — Se és meu amigo, por que me não dizes o que tens? Naturalmente adormeceste como eu, tiveste algum pesadelo e estás ainda sob a esfera da influência do sonho…
 — Já te disse que não dormi e por isso não sonhei. Sabes que não costumo mentir.
 — É verdade.., queres então que eu acredite que estiveste a conversar com a moura?
 — Quero sim porque é a pura verdade.
 — Então conta-me isso...
 — Prometes não descobrir…
 — Conta de uma vez essa coisa!... que diabo de história será...
 — Olha, António, quando já dormias e eu quase a imitar-te, senti que alguém se aproximava de nós. Ergui a cabeça, olhei para o lado direito e vi já sentada na beira da lage uma linda menina, tendo no colo uma caixa do formato e tamanho de uma joeira. Imagina que susto apanhei.
 — Calculo, meu rapaz, respondeu o companheiro a rir, dando ao seu amigo o tratamento familiar de que usavam entre si.
 — Fiquei tão assustado, que a minha palidez deu nos olhos da desconhecida, pois disse que não me assustasse, que ela, havia muitos séculos, residia naquele sítio. Vi então que estava na presença da moura encantada, e quis acordar-te. Ela disse-me:
 «Não te incomodes em acordar o teu amigo; enquanto eu aqui estiver não acordará. Eu sou a moura do serro das Relíquias, da qual tantas vezes tens ouvido falar. Desde 1189 aqui estou encantada. Meu pai encantou-me em razão de eu querer casar com um primo que eu muito amava. Meu pai era o rei dos mouros que habitavam no serro das Relíquias...»
 — Pequeno reino por sinal, interrompeu o companheiro... Escuta-me e falarás logo: «meu pai, disse a moura, era o rei do serro das Reliquias, da Aldeia-Cham, Alcorgil, Alcarias e Parrascal; o meu primo habitava na Almoinha-Velha. Em uma tarde de S. João fui visitada por meu primo, e falou a meu pai no casamento. Respondeu imediatamente que não dava o seu consentimento e, como eu lhe observasse que com outro nunca chegaria a casar, irou-se a tal ponto que no dia imediato, dia de S. João, encantou-me em uma cobra, dando-me todavia a liberdade de me transformar em outro animal, racional ou irracional, desde a meia noite da vespera de S. João até o outro dia, ao nascer do sol. E assim vivo, se isto é viver, há quase oito séculos.»
 Ora a moura era realmente formosíssima. Tinha eu bastante tempo de lhe admirar os contornos. Estava ricamente vestida, trazendo ao pescoço um grande colar de ouro, e nos braços brilhavam óptimas pulseiras do mesmo metal...
 — Aposto que te apaixonaste por ela, observou o companheiro a rir.
 — Peço-te que não me interrompas. Falo-te muito sinceramente e faz de mim o juizo que quiseres. A moura continuou a fazer-me a sua história, dizendo que durante todo este tempo aparecera a três pessoas, pedindo-lhes que lhe fizessem o favor de a desencantar.
 «O primeiro, disse, foi, há muito tempo, o hortelão da horta do Brito. Chamava-se João Bento, O que te vou contar passou-se em 1640...»
 — Belo tempo esse em que um punhado de valentes enchotou do nosso Portugal uma chusma de vampiros, interrompeu o companheiro.
 «Ora o moleiro, continuou a moura, era casado. Em uma noite de vespera de S. João, quando ele se deitava com a mulher, espreitei-o e esperei que adormecessem. Aproximei-me então e pedi-lhe que me desencantasse em troca de muitas riquezas que eu lhe daria. O homem acordou, quis acender a luz mas impedi-lhe que ferisse lume.»
 — Se não houvesse fósforos...
 — Cala-te, António, escuta-me: disse a moura: «o homem, depois de lhe repetir que me desencantasse, resolveu-se a dizer-me as seguintes palavras: Vai lá baixo ao pé da azinheira grande e espera-me. Fui e o homem não faltou. Apenas me viu, ficou muito assustado. Perguntou-me o que deveria fazer para me desencantar. Respondi: eu agora desapareço por um pouco e volto transformada em touro, dando grandes mugidos, esgravatando com furor a terra, e avanço com grande fúria, fingindo que te quero espetar nas armas; e quando chegar ao pé de ti fico por um pouco parada. Deixo-te e volto novamente transformada em uma cobra monstro, dando grandes silvos e fingindo querer engolir-te; mas, ao aproximar-me de ti, retiro-me. Volto pela terceira vez transformada então numa donzela de vinte anos. Aproximo-me de ti e beijo-te na fronte. Neste mesmo momento entrego-te a minha caixa e juntamente todas as minhas riquezas. Eu fico desencantada e tu, o homem mais rico deste mundo.
 Devo porém acrescentar se tu na ocasião em eu aparecer de toiro ou de cobra manifestares algum medo ou desmaiares, fazes-me um grande mal porque me redobras o meu encantamento. O João Bento respondeu-me que aceitava a proposta. Eu, porém que nunca tentei iludir ninguém, quis explicar ao João Bento a significação do beijo e disse-lhe que depois de receber as riquezas nada mais tinha que fazer senão ir à igreja e pedir ao seu prior que lhe tomasse a ungir com os óleos do baptismo que eu lhos arrancara com o beijo.»
 — E o João Bento o que respondeu? Perguntei-lhe.
 « João Bento disse-me que era melhor adiar o desencanto para o dia seguinte antes do sol nado, pois queria pensar maduramente nas condições da proposta.
 — E voltou?
 — No dia seguinte mudou ele de residência, saiu da horta, e não mais o vi. Soube que tendo consultado o prior, este o dissuadira de praticar uma obra de misericórdia.
 Perdi, pois, continuou a moura, a esperança que chegara a ter no hortelão, e esperei.
 O segundo, um tal de José Fernandes da Almuinha-Velha, foi logo franco: respondeu-me que não tinha receio de combater o touro nem dos arremessos da cobra, por isso que era tudo a fingir, mas que não que lhe arrancassem os santos óleos postos pelo seu paroco, na presença do seu padrinho.
 O terceiro chamava-se Francisco Martins, moleiro que é ainda vivo, e que eu imediatamente verifiquei não ter força para empreender o meu desencanto.
 Tu, agora, podes responder se te sentes com força de me libertar deste inferno.»
 E a moura, dizendo isto numa expressão suave e harmoniosa, que parecia o som diferido nas cordas de um bandolim, abriu-me a caixa e mostrou-me o seu conteúdo.
 O que lhe havia de responder?! Respondi-lhe que tinha muita pena de não poder aceitar tão amável convite, mas que não me sentia com forças para resistir.
 — E ela? Interrompeu o companheiro.
 — Ela insistiu novamente, chorou até o momento em que acordaste. Vendo que não vencia; desapareceu.
 — E estás bem certo de a ver?
 — Tão certo como de falar-te agora.
 — Creio que estás iludido. A lenda que acabas de contar é a mesma que eu e tu temos ouvido a toda a gente destes sítios. Não me acrescentaste a mais pequena variante. Se alguma coisa contasses de novo, para não dizer que a tinhas inventado, poderia supor por um momento, que tivesses visto alguma coisa.
 — Duvidas então da minha palavra?
 — Não; creio, porém, que foi uma ilusão. É noite de S. João, estavas junto da sede da lenda, viste ali perto o pego da moura, ouviste no baile mais de uma alusão à encantada; encontraste-te só, porque quem dorme não pode dar grande companhia, a tua imaginação exaltou-se e... viste a moura.
 — Se lhe falei, e ela respondeu...
 — Desconheces certamente até onde chega a força da sugestão…
 — Enganas-te: vi a moura como te vejo aí, falei-lhe como te estou falando, há apenas minutos.
 — E por onde se safou ela da tua presença?
 — Saltou no pego e desapareceu.
 — Portanto há entre o pego e a sua residência uma comunicação oculta. Diz a lenda que ela reside lá em cima na cisterna. Veremos amanhã isso.
 — Mas, pode suceder que não encontremos essa comunicação, todavia eu tenho a certeza de que lhe falei. Uma coisa me pediu ela.
 — O que te pediu?
 — Guardasse segredo.
 — Pois sim..
 No dia seguinte toda a gente falava no aparecimento da moura encantada no serro das Relíquias. Se o segredo nem sempre é guardado por um... como por dois...
 No entanto um dos rapazes do diálogo que acabo de descrever, o mesmo cavalheiro que me deu todas estas informações, vendo o seu amigo vítima de uma horrível sugestão, envidou todos os esforços em convencê-lo do seu erro. Dois ou três dias depois combinou com ele uma caçada e dirigiram-se ambos para o serro das Relíquias. Lá em cima aproximou-se do castelo, e disse para o amigo:
 — Vamos fazer uma experiência ainda que me custe cara.
 — Que experiência?
 — Lanço à cisterna um dos meus podengos. Quero ver se ele encontra a tal comunicação subterrânea: se morrer, perdi um cão.
 E assim foi resolvido. Como a escavação era um declive, puseram um cão a caminho, empurraram-no, e fecharam a entrada com diversas tábuas que ali encontraram.
 O cão começou a ganir no precipício, ouvindo-se perfeitamente por algum tempo os latidos. Depois de algum tempo estabeleceu-se na cisterna um profundo silêncio.
 — Naturalmente encontrou-se com a moura, dizia um dos rapazes, o António.
 O outro não respondeu.
 Esperaram mais de um quarto de hora, aplicando atentamente o ouvido, e debruçando-se para dentro da cisterna.
 Passados uns vinte minutos, o que designo pelo nome de João, disse em voz alta:
 — Ora esta!
 — O que é?
 — Está aqui o cão.
 Efectivamente tinham ao seu lado o podengo, que sacudia a água do pêlo, com toda a sem cerimónia.
 Ficaram então convencidos de que a cisterna tinha alguma rutura por onde o cão se escapara cá para fora.
 — Repito a experiência, mas quero primeiro tomar as minhas medidas providenciais. Tu ficas aqui, metes o cão na cisterna e faz um tiro com a tua espingarda, eu vou colocar-me lá em baixo junto do pego onde tomámos o banho. Vou ali espreitar ou antes esperar o pondego, propôs o António.
 E assim foi resolvido: o João ficou junto da cisterna, e o António dirigiu-se para o pego. Logo que este ali chegou, fez um tiro, sinal adoptado para o seu companheiro e amigo lançar o pondego à cisterna; o outro fez também um tiro.
 Passados momentos sentiu o rapaz, que ficara próximo do pego, uma respiração apressada, e quase ao mesmo tempo aparece o cão, por debaixo de um aloendreiro, saltou ao pego, e saiu nadando para a outra margem. A este tempo apareceu o seu companheiro. Então ficaram ambos convencidos de que havia realmente comunicação do castelo para o pego.
 — Já vês que a moura pode muito bem desaparecer por aquela comunicação, observou o que afirmava ter visto a moura.
 — Vamos agora discutir mais a sangue frio a tua visão. Crês que existia há mais de sete séculos uma moura aqui encantada, conservando a mesma formosura do seu tempo de moça?
 — Eu não discuto agora crenças, nem quem que entres em tal assunto: os sentidos corporais são também fontes dos nossos conhecimentos. Eu disse, digo, e hei-de dizer que na madrugada do dia de S. João vi a moura, vi-a e ouvi-a. Discute portanto se eu sou cego ou surdo.
 — Podes muito bem supôr que viste coisa que não viste e que ouviste o que não ouviste. Os nossos sentidos são muito falíveis. Creio que a boa lógica ou a boa hermenêutica estabelece regras por onde nos devemos orientar na explicação e uso dos nossos sentidos.
 — Não contesto. É porém notável que os meus sentidos funcionassem bem antes e depois do aparecimento da moura e se deixassem completamente iludir durante a longa discussão que com ela tive.
 E é certo que o mancebo está tão convencido de ter visto a moura que ainda hoje sustenta isto mesmo.
 Chamei-lhe mancebo, hoje já passou a linha da idade marcada aos mancebos.
 Por todos os sítios que rodeiam o serro das Relíquias foi espalhado este caso, aliás célebre. Começou-se novamente a falar nas riquezas depositadas na parte subterrânea do castelo, e os trabalhos, que tinham há muito cessado, repetiram-se logo depois em 1886 e 1887. Novos desenganos puseram fim a tais trabalhos; ultimamente, porém, em Fevereiro e Março do corrente ano, continuaram mais uma vez nos mesmos estudos.
 Pois que cheguei ao fim da lenda, devo dar algumas explicações.
 Não nos devemos surpreender de que a moura desse ao seu pai um tão pequeno reino. No tempo dos sarracenos, Silves, Mértola e Ourique formavam três reinos. A história antiga de Portugal afirma que D. Afonso Henriques combatera em Ourique cinco mouros. Quase o mesmo sucedia no tempo dos romanos relativamente à nossa província.
 Também parecera pouco crível que os sítios pouco habitados das Relíquias, Alcarias-Chan, Alvorjel, Alcarias e Carrasqueira pudessem em outros tempos fornecer elementos de vida de um reino. E todavia nada há menos fabuloso. Parece que naquele tempo a nossa serra se achava em perfeitas condições de existência. Fica-se pasmado da grande civilização que forçosamente em épocas remotíssimas se manteve em Salir, Alte e Querença! A cada passo encontramos naquelas freguesias, muito principalmente na de Salir, restos pasmosos de uma adiantada civilização.
 Desta lenda e outras publicadas parece dever-se concluir que os mouros costumam estabelecer comunicações subterrâneas dos seus castelos para fora; e nisto é tão constante a lenda, que em nenhuma parte da nossa província se encontra uma furna ou caverna de origem antiga, que não afirmem comunicar com o castelo mourisco mais próximo. No Algôs, em Alte, Salir, Querença, S. Bartolomeu de Pechão, Luz de Tavira e quase todas as povoações, onde se encontram aberturas, no terreno, de maior vulto, existe na tradição do povo a ideia dessas comunicações com os mais próximos castelos dos mouros.
 É coisa de que ninguém pode duvidar que os mouros eram habilissimos em trabalhos subterrâneos. As chamadas matamorras ou matmorras, encantadas nas povoações por eles habitadas, são realmente um trabalho perfeito no seu género. São elas celeiros subterrâneos, de feitio de uma cisterna, com três ou quatro braços de alto e largura em proporção, em que os mouros muito previdentemente como já tive ocasião de afirmar, costumavam guardar os trigos, depois de debulhados, limpos, e, estando frios, os cobriam com alguma palha e terra. Ali se conservavam os trigos sem corrupção nem gorgulho até dois e mais anos. Deste vocábulo matamorra veio talvez á nossa palavra masmorra.
 Quem sabe se dura experiência os obrigou a estar prevenidos contra os ataques súbitos dos cristãos, por aquele processo de sair do castelo
para fora subterraneamente?
 O modo bárbaro e cruel por que foram recebidos os mouros de Silves por ocasião da tomada do seu castelo no tempo de D. Sancho I, e outros casos anteriores, deviam necessariamente despertar entre os mouros a ideia de tais comunicações. E nisto, diga-se a verdade sem rodeios, andaram perfeitamente: os nossos antigos eram de uma temível ferocidade com os mouros. Os portugueses que cercaram Silves, e os seus auxiliares, podem dar a mão aos actuais povoadores de Riff.

Fonte Biblio OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde As Mouras Encantadas e os Encantamentos do Algarve Loulé, Notícias de Loulé, 1996 [1898] , p.207-216

Place of collection Giões, ALCOUTIM, FARO

Narrativa

When XIX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications