A moura de Sobreda

APL 3671

Ia um homem a passar num caminho, próximo da aldeia de Sobreda, concelho de Murça, quando encontrou, sentada numa rocha, uma bela mulher a pentear os seus longos e negros cabelos. Como a achou muito bonita, procurou-lhe:
    — Que posso eu fazer, bela mulher, para a conquistar?
    E ela respondeu:
    — Só tens de me quebrar o encanto, que me tem dominada há 28 anos.
    — O encanto?! E como faço eu isso?
    — Amanhã de manhã vens aqui e encontrar-me-ás transformada numa cobra. Depois subo por ti acima e tu espetas-me uma agulha. Mas olha, não ma espetes na cabeça, porque podes cegar-me.
    Ao outro dia o homem lá foi. Viu então uma cobra muito feia, que subiu por ele acima. Mas como era muito feia, o homem sentiu tal repulsa que lhe deu uma palmada, atirando-a ao chão. E ao cair no chão a cobra transformou-se em mulher. E, como não chegou a ter tempo de vestir-se, apareceu nua. Com muita tristeza, disse então:
    — Ah, homem maldito, que dobraste o meu encanto! Perdeste a maior riqueza do mundo e nunca mais serás feliz!
    A mulher era uma moura encantada. Depois disto ficou mais 28 anos sob o encanto, e o homem nunca foi feliz.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.309

Ano1999

Place of collection Murça, MURÇA, VILA REAL

InformanteMaria Isabel Bessa Breia (F), 48 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications