A moura e o moleiro de Nozelos

APL 3593

Perto de Nozelos, no concelho de Macedo de Cavaleiros, havia há muito tempo, à beira do rio, um moinho onde vivia o moleiro. Numa manhã, o moleiro encontrou junto a uma fraga que ainda lá existe um pente de ouro. Apanhou-o e ficou todo o contente.
    Nisto apareceu-lhe uma donzela muito bonita, que lhe disse:
    — Esse pente é meu, mas, se o quiseres, pode ser teu. E posso ainda dar-te mais riquezas. Só tens de me desencantar, pois eu sou uma moura e estou encantada numa cobra.
    E explicou-lhe como tinha de fazer. Ir lá num determinado dia, a uma determinada hora e esperar que a cobra viesse e subisse por ele acima, até lhe dar um beijo. E também lhe disse que se tivesse medo, estragaria tudo.
    O moleiro aceitou e à hora combinada lá foi. Sentou-se na dita pedra e esperou. De repente, sentiu atrás de si um barulho a roçar nas ervas, o que o fez tremer de susto. A seguir olhou para trás e já nada viu. Apenas uma voz:
    — Ah, maroto, que me dobraste o encanto!
    E nunca mais encontrou nem a moura, nem a cobra.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.252-253

Ano2000

Place of collection-, MACEDO DE CAVALEIROS, BRAGANÇA

InformanteEugénia Gonçalves (F), 58 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications