A moura e o torgueiro

APL 3715

Antigamente os habitantes de Vilartão, no concelho de Valpaços, eram conhecidos por torgueiros porque se dedicavam a fazer carvão com torgos de urze. Um dia, um desses torgueiros andava a fazer carvão no lugar de Picões, e, sentindo sede, foi beber a uma fonte que lá existe. Quando acabou de beber, reparou que ao pé de si, a mirá-lo, estava uma mulher toda vestida de ouro. Era uma moura. Ela enamorou-se do homem e disse-lhe:
    — Vou fazer-te rico. Toma este saco cheio de moedas de ouro, mas tens de prometer-me uma coisa: não dizer nada a ninguém que me encontraste e que eu te fiz rico.
    O homem aceitou e, antes de regressar a Vilartão, escondeu o saco das moedas debaixo de um torgo. Passados alguns dias começou a gabar-se de que tinha uma mulher que lhe dava moedas de ouro. Mas ninguém o levava a sério. Diziam que estava doido e passaram a tratá-lo como tal. Então o homem, para provar que não andava doido e que falava a verdade, disse aos seus vizinhos:
    — Ora esperai aqui, e ides ver como vos trago um saco de moedas de ouro que me foram dadas por ela.
    E lá foi a Picões à procura do ouro. Só que, ao chegar lá, o que encontrou debaixo do torgo foi apenas um saco cheio de carvões. Nada mais. E da moura também não achou sinais. Ao regressar ao povo todos se riram da sua mentira. E nunca mais o levaram a sério. Já nem o carvão lhe compraram.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.340-341

Ano1999

Place of collection-, VALPAÇOS, VILA REAL

InformanteMaria da Graça Gomes (F), 54 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications