A moura encantada

APL 3056

Ao cair do Sol, passava um trabalhador rural por uma das Grutas, das muitas existentes ao longo do caminho do Paúl à Carvoeira, que segundo a tradição pertenceram aos mouros, quando deparou com uma linda rapariga a pentear-se. Entrou em conversa com ela e a certa altura pediu-lhe um beijo. Ela respondeu-lhe que lhe satisfaria o pedido, mas só no dia seguinte, se ele por ali passasse à mesma hora. O homem, todo contente, prontificou-se a fazê-lo.
    No dia seguinte, quando, conforme o combinado, se encaminhava para a entrada da Gruta, deparou com uma enorme serpente que falava e lhe pediu o beijo prometido na véspera. Ele, repugnado, afastou-a, negando-lhe o beijo.
    A cobra, então, disse-lhe:
    - Dobraste o meu encanto, por isso pouco tempo terás de vida.
    Assim, ao fim de alguns dias, o homem começou a definhar, acabando por morrer sem que alguém soubesse a causa da moléstia.

Fonte Biblio CAETANO, Amélia "Lendário Mafrense" in Boletim Cultural '93 Mafra, Câmara Municipal de Mafra, 1994 , p.268

Place of collection Carvoeira, MAFRA, LISBOA

ColectorMaria Laura Costa (F)

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications