A Moura Encantada

APL 875

Os antigos dizem que, uma vez, um homem que tinha uma mina para regar os seus campos esteve perto da fortuna, mas, por ignorância, perdeu-a!
 Tinha também este homem vários filhos. Um dia, um dos filhos, que era uma menina, foi à dita mina buscar água e apareceu-lhe uma moura! A moura entrou em conversa com a menina, e perguntou-lhe:
 - Minha querida menina, o que é que estão a fazer em tua casa?
 - Estamos a cozer o pão, e a fazer um bolo — respondeu, sem medo.
Então, diz ela:
 - Olha, não digas nada a ninguém; não digas que me viste! Tu, ao fim do bolo estar cozido, vens aqui e trazes-me um bocadinho. Mas não digas nada aos teus pais!
 A rapariga lá voltou para casa. Deixou que o pão cozesse no forno, e foi preparando as coisas sem dizer nada aos pais. Assim que o bolo estava pronto, agarrou a moça um pedacito de bolo, e foi-o levar à mulher que encontrara junto à mina.
 Quando lá chegou, a mulher aceitou o bolinho e agradeceu. Depois, pegou num porrão de barro e, com muito jeitinho, meteu-lhe umas poucas de coisas dentro. A menina ainda viu que o que ela metia reluzia ao sol. Era ouro! Correu imediatamente para casa, mas quando mostrou aos pais, aquilo transformou-se em carvões. A menina não compreendia o que se passava. Mas aquilo era ouro!
 Os pais e a menina não sabiam que para ter o ouro, os carvões tinham de ser desencantados. Ignorando isso, e não se informando nos mais entendidos, deitaram fora o que estava no porrão de barro! No dia seguinte viram que os carvões já não estavam onde os tinham deixado. A moura viu o que fizeram, e levou o ouro outra vez.

Fonte Biblio CAMPELO, Álvaro Lendas do Vale do Minho Valença, Associação de Municípios do Vale do Minho, 2002 , p.135

Place of collection-, PAREDES DE COURA, VIANA DO CASTELO

InformanteArnaldo Dantas (M), - (PAREDES DE COURA) VIANA DO CASTELO,

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications