A Mulher que Amamentou uma Cobra

APL 1899

Conta-se na aldeia de Pereiro de Agrações, do concelho de Chaves, que, há muitos anos, uma cobra ia ter todas as noites à cama de uma mulher, atraida pelo leite que ela dava a mamar a uma filha recém-nascida. A cobra esperava que a mulher adormecesse, e punha-se depois a mamar no lugar da menina. E para que ela não chorasse metia-lhe o rabo na boca a fazer de chupeta.
 Passados vários dias, as pessoas começaram a notar que a menina estava a ficar cada vez mais magra. E a mãe não sabia explicar o que realmente se passava. Apenas dizia que tinha ubre quando se deitava e que acordava sempre sem ele. Acreditava, pois, que a menina passasse a noite inteira a mamar.
 Pelo sim pelo não, numa certa noite deixou-se estar acordada e, a dada altura, sentiu a cobra a deslizar pela cama na direcção dos seios. Cheia de medo, deixou-se estar o mais quieta que pôde.
 Na manhã seguinte contou ao marido e este resolveu ficar também de vela até que a cobra aparecesse. Tiveram de deixar que ela sugasse todo o leite, como fazia nas noites anteriores, e, no fim, a mulher chamou o marido, que conseguiu matar a cobra à paulada quando ela seguia na direcção do telhado.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre Antologia de Contos Populares Vol. 1 Lisboa, Plátano Editora, 2001 , p.104

Ano1999

Place of collection Vidago, CHAVES, VILA REAL

InformanteMaria de Fátima Ribeiro (F), 45 y.o., Vidago (CHAVES) VILA REAL,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications