A Senhora da Conceição da Rocha e os Piratas

APL 1216

Corria o século dezasseis. Uma tarde, um clérigo da ilha de Santa Maria aproveitava o seu tempo de descanso e rezava com devoção a coroa à Senhora da Conceição, ajoelhado no chão da igreja que se ergue ao cimo da Rocha, perto do antigo Castelo de S. Brás e que tem o nome de Ermida de Santa Luzia ou da Senhora da Conceição da Rocha.
 A certa altura das suas preces, quando rezava fervorosamente uma ladainha, o clérigo chamou “Virgem” e do altar da Bendita Senhora uma voz respondeu-lhe “Sempre Virgem”.
 O clérigo, ao ouvir isto, caiu por terra, morto de espanto e medo. Quando, passado algum tempo, tornou a si, começou a ouvir o sino da igreja tocar, como se alguém estivesse a avisar os marienses de um ataque de piratas ou corsários.
 Ainda tonto e admirado, correu logo para a sineira para ver o que se passava, mas ficou maravilhado quando não encontrou ninguém a tocar o sino e compreendeu que só podia ser a Senhora da Conceição que estava a avisar as pessoas do perigo que se aproximava.
 Os marienses, alarmados pelo rebate do sino, deixaram o que faziam e apressaram-se a esconder os seus bens mais valiosos assim como o que tinham guardado para comerem pelo ano adiante. Por fim, fugiram e esconderam-se em furnas e lugares isolados.
 Algumas horas depois, um navio surgiu do lado da Ponta do Marvão e lançou ferro na baía que se espraia entre a Ponta da Malmerenda e a ponta já atrás referida. Como touros enraivecidos e de espada em riste, os piratas subiram pelo lado que hoje se chama Calhau da Roupa, dispostos a ferir e a roubar como já tinham feito de outras vezes. Mas tiveram pouca sorte porque não encontraram quase nada de valor.
 Mais enraivecidos por terem procurado por todo o lado e pouco terem encontrado, voltaram às barcas e rumaram para outras bandas, enquanto os marienses voltavam às suas casas, ainda mais devotos e agradecidos à Senhora da Conceição, que os tinha avisado, e protegido da desgraça que se avizinhava.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.27

Place of collection-, VILA DO PORTO, ILHA DE SANTA MARIA (AÇORES)

Narrativa

When XVI Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications