[A Serpente]

APL 2281

O cabreiro na serra ouviu uma voz bradando:
 — Que quer?
 — Quero que me vá desencantar na noite de S. João, à meia-noite.
 Ele lhe perguntou se podia levar companhia.
 — Não vou sózinho, que tenho medo.
 — Podes vir sòzinho, não te faço mal; sou uma moira encantada. Não tenhas medo, que saio em serpente daquele buraco.
 O cabreiro juntou o gado e chamou os perros e foi-se embora com as cabras, e a um bocado de distância ainda ouvia gritar a moura, ainda de noite escura.

Fonte Biblio VASCONCELLOS, J. Leite de Contos Populares e Lendas II Coimbra, por ordem da universidade, 1966 , p.783

Ano1907

Place of collection Glória, ESTREMOZ, ÉVORA

ColectorAna de Castro Osório (F)

InformanteAnanias Joaquim Ramalho (M),

Narrativa

When

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications