Alma penada

APL 1629

As lavadeiras do Campo da Feira juntavam-se todas, quando tinham de lavar à meia-noite (chegando antes), porque constava que por baixo da Ponte andava a alma duma ama de Vila Pouca que tinha atirado um filho recém-nascido ao rio, tendo sido condenada a procurar todos os ossos da criança.

Fonte Biblio SARMENTO, Francisco Martins Antígua, Tradições e Contos Populares Guimarães, Sociedade Martins Sarmento, 1998 , p.119

Place of collection-, GUIMARÃES, BRAGA

InformanteMaria (F),

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications