Ana Fernandes, uma devota da Senhora dos Anjos

APL 1224

Mesmo no final do século dezasseis, havia uma mulher de nome Ana Fernandes, de Vila do Porto, em Santa Maria, que era muito devota da Senhora dos Anjos e tinha por devoção ir visitá-la todas as quartas-feiras à sua ermida, que ficava a mais de uma légua da Vila.
 Ora esta mulher tinha um filho que estava a estudar na Terceira, onde havia uma grande epidemia de peste que dizimava muitas pessoas, sem que nenhum remédio lhes pudesse valer. Andava a mulher muito aflita não fosse o filho ficar contaminado por tão ruim doença e só desejava tê-lo ao pé de si. Por isso, depois de rezar o seu terço de joelhos, pedia com muita insistência e devoção à Senhora dos Anjos:
 — Ó minha querida Senhora, só vós me podeis valer! Livrai o meu rico filho da peste! Trazei-mo para casa a salvamento!
 Aconteceu que foi visitar a Senhora dos Anjos numa quarta-feira, como sempre costumava fazer, de manhã muito cedo, percorrendo a pé o longo e difícil caminho. Depois de se ajoelhar aos pés da Virgem e fazer a sua oração com muita fé, saiu da ermida para o adro, para voltar a casa. Qual não foi o seu espanto, quando deparou com o filho, que devia estar na Terceira, ali sentado, muito descansado, no muro de pedra.
 Abraçou-o e beijou-o com muita saudade e alegria e perguntou-lhe, quase sem poder falar:
 — Meu rico filho, tás de saúde? Como vieste aqui parar?
 Ficou ainda mais admirada quando o rapaz lhe respondeu que não sabia, que se tinha achado ali, sem saber como.
 Então a mulher compreendeu que só podia ter sido a Senhora dos Anjos que tinha ouvido as suas fervorosas preces e lhe tinha trazido o filho nos braços, livrando-o da peste que havia na Terceira.
 Anos mais tarde o filho foi frade e chamou-se frei Inácio da Ascensão e todos os restantes anos da vida de Ana Fernandes foram poucos para agradecer à Senhora dos Anjos a graça que lhe tinha concedido.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.37-38

Place of collection-, VILA DO PORTO, ILHA DE SANTA MARIA (AÇORES)

Narrativa

When XVI Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications