Aparição

APL 1641

Um caseiro que foi da Margarida afiançava que juraria onde fosse preciso que vira o pai dela, depois de falecido, ir abrir as cortes do gado. O homem teve tal medo, que indo com tenção de passar o dia a roçar, foi meter-se em casa. Teimava-se que as portas das cortes apareciam por muitas vezes abertas e o gado solto.

Fonte Biblio SARMENTO, Francisco Martins Antígua, Tradições e Contos Populares Guimarães, Sociedade Martins Sarmento, 1998 , p.130

Place of collection-, GUIMARÃES, BRAGA

InformanteMargarida (F),

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications