[As Bruxas e o Vento]

APL 2923

As bruxas é coisa má... São almas danadas, gente má que nem o diabo quis no inferno! Uma vez, isto era nos tempos antigos, quando o meu avô era moço. Havia cá um rapaz, o Lino, que dizia que não tinha medo de nada, nem das bruxas. Uma vez estava ele a guardar as cabras do senhor professor mais o meu avô, e apareceu uma... E das grandes, sim das grandes! Porque há bruxas de muitos tamanhos, aquela parecia que tinha vinte lá dentro, vinte almas a gritar e a gemer. Levantou-se uma vintania que até deitou abaixo um carvalho maior que esta casa.
O Lino levanta-se e pôs-se a chamar nomes à bruxa. Olha, ela levantou-se no céu e levou-o no meio do vento. Encontraram-no no Pico da Velha, no dia seguinte. Estava na ponta do Pico, cheiinho de medo que nem falava. Ficou tão gago que não se percebiam duas palavras direitas, e assim ficou até morrer de velhice.

Fonte Biblio SALVADO, Maria Adelaide Neto Remoínhos, Ventos e Tempos da Beira s/l, Band, 2000 , p.46-47

Ano1994

Place of collection Orvalho, OLEIROS, CASTELO BRANCO

ColectorAntónio Manuel Natário (M)

InformanteBelarmino Frade (M), 72 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications