As Casas Altas

APL 2975

À entrada do Paul, situam-se, numa pequena elevação, umas casas em ruínas — são as Casas Altas.
Ao certo, pouco se sabe sobre estas casas, mas diz o povo que são do tempo dos mouros e que são assombradas, porque ali apareciam coisas estranhas.
Diz-se que existia um túnel que ligava estas casas ao cemitério dos mouros que se situava no local onde hoje existe a escola primária, porque ao construí-la aí foram descobertas muitas ossadas.
Diz-se também que existe dinheiro escondido nas paredes da velha casa e quando uma pessoa sonhar três vezes seguidas com isso, terá de ir procurar esse dinheiro, porque se não o fizer morrerá dentro de pouco tempo. Ao fazê-lo terá de ir sozinha, entre a meia-noite e a uma da madrugada. A pessoa não pode olhar para trás, porque se o fizer, terá de recuar. Lá dentro, deve começar a escavar e então aparecerá um monstro, que alguns dizem ser uma víbora, a qual terá de enfrentar. Mas cuidado, pois se a víbora não for bem morta o dinheiro desaparece e a pessoa pode ser envenenada. Depois de morta a víbora, ou o monstro, a pessoa pode então encontrar o dinheiro.
Outros dizem que já houve quem procurasse e nada encontrou, talvez porque não cumpriu o ritual.
Diz-se que são apenas histórias.

Fonte Biblio JANA, Isilda Histórias à Lareira Abrantes, Palha de Abrantes, 1997 , p.56

Ano1992

Place of collection-, ABRANTES, SANTARÉM

ColectorCélia Alves (F)

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications